Epitacio Pessoa/Estadão
Epitacio Pessoa/Estadão

Postos recebem combustível e já têm menos filas no interior

Sindicato do Comércio dos Derivados de Petróleo (Sincopetro), prevê que o abastecimento deve ser normalizado até o fim de semana

José Maria Tomazela, O Estado de S.Paulo

31 Maio 2018 | 09h49

SOROCABA – Com as rodovias sem bloqueios, os postos de gasolina recebem mais combustível e as filas nos postos já são pequenas nas principais cidades do interior. Na região de Campinas, apenas a Refinaria de Paulínia liberou 400 caminhões-tanque carregados até a madrugada desta quinta-feira, 31. Em Sorocaba, caminhões chegavam sem escolta esta manhã. O Sindicato do Comércio dos Derivados de Petróleo (Sincopetro), prevê que o abastecimento deve ser normalizado até o fim de semana.

+ Greve dos caminhoneiros: acompanhe as últimas notícias

+ 'Até o fim de semana, a situação irá se normalizar'

O reflexo da greve é visível nas rodovias paulistas que, em pleno feriado, estão praticamente vazias. Nas praças de pedágio, desde a zero hora, caminhões não pagam tarifa pelo eixo suspenso suspenso, como ficou acordado para o fim da greve. A Secretaria de Logística e Transportes do Estado liberou também o tráfego de caminhões em estradas com restrição para veículos de cargas nesse feriado prolongado, como as rodovias Castelo Branco, Bandeirantes e Tamoios.

+ Mercado relata a BC temor de contágio da greve dos caminhoneiros na atividade econômica

Prejuízos. Apesar de alguns pontos de manifestação ainda espalhados pelo País, a paralisação dos caminhoneiros dá claros sinais de que chegou ao fim. Em todos os Estados, a vida começa a voltar ao ritmo normal. O quadro de desabastecimento inicia sua reversão: o combustível está chegando aos postos, os alimentos voltam aos supermercados. Os reflexos da crise provocada pelos protestos, porém, ainda devem perdurar por bastante tempo.

Mais conteúdo sobre:
gasolina

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.