Postura de Palocci surtirá efeito ao acalmar mercado, diz WestLB

A reação do mercado financeiro à entrevista coletiva do ministro da Fazenda, Antonio Palocci, deve ser muito positiva no início dos negócios nesta segunda-feira, na avaliação do economista-sênior do Banco WestLB, Adauto Lima. Segundo Lima , Palocci deu as explicações necessárias e falou de maneira frontal esem rodeios.Palocci convocou a imprensa na tarde de domingo para se pronunciar sobre as denúncias feitas na última sexta-feira pelo advogado Rogério Buratti. O ex-assessor do ministro disse que, quando Palocci era prefeito de Ribeirão Preto recebia pagamentos men sais de R$ 50 mil de empreiteiras que cuidavam do serviço de lixo da cidade.Para Lima, a postura do ministro Palocci foi "firme e positiva no sentido de convocar a imprensa e argumentar que os documentos citados por Buratti não o envolve diretamente". Ainda de acordo com o economista do WestLB, o ministro foi feliz em dizer que a política econômica é do governo e não dele.Segundo Lima, o ministro agiu de forma correta, diferentemente do que tem feito o ex-ministro da Casa Civil José Dirceu. "É natural que um ou outro agente econômico mantenha, no decorrer da próxima semana, um certo grau de cautela, mas nada que possa agregar muita volatilidade ao mercado, graças à atitude do ministro da Fazenda de vir a público esclarecer os fatos"."O problema dentro de um cenário de crise, como o que estamos vivendo, é que a cada dois dias aparecem novos fatos na imprensa", diz o economista. Ele ressaltou, no entanto, que depois de o ministro Palocci ter deixado claro que nenhuma medida de aperto monetário será tomada por pressão política, certamente o mercado ficará mais aliviado.Para Lima, Palocci deixou claro que qualquer medida no sentido de elevar juros ou de ampliar o superávit primário só se dará, se necessário, obedecendo critérios técnicos e não em respostas a fatores políticos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.