AP
AP

Renda extra

Fabrizio Gueratto: 8 maneiras de ganhar até R$ 4 mil por mês

Pote de vidro com ar puro francês é vendido na China por R$ 1.890,00

Venda em leilão na internet foi uma forma de protesto contra a onda de poluição que assola as grandes cidades chinesas

11 de abril de 2014 | 12h17

PEQUIM - O artista chinês Liang Kegang voltou de uma viagem de negócios no sul da França com os pulmões descansados e um pequeno item de protesto contra a sufocante poluição de sua terra natal: um pote de vidro cheio de ar limpo de Provença.

Ele o colocou o vidrinho em leilão na internet e conseguiu vender o ar puro engarrafado US$ 860, o equivalente a R$ 1.890,00.

O artista diz que sua atitude foi uma forma de chamar a atenção sobre a poluição atmosférica nas grandes cidades chinesas.  Ele de início ao leilão diante de um grupo de cerca de 100 artistas e colecionadores chineses há um mês.

"O ar deve ser o bem mais sem valor, livre para ser respirado por qualquer vagabundo ou mendigo", disse Liang em uma entrevista. "Esta é a minha maneira de questionar ar poluído da China e expressar a minha insatisfação".

O trabalho de Liang é parte de uma onda recente de protestos artísticos que refletem a insatisfação generalizada com a qualidade do ar na China, onde as cidades geralmente ficam imersas vários dias em poluentes nocivos em níveis muitas vezes acima do que é considerado seguro pela Organização Mundial de Saúde (OMS).

O problema crônico tem estimulado o mercado de máscaras contra poeira e purificadores de ar para residências.

Em fevereiro, 20 artistas usando máscaras de poeira se deitaram no chão e se fingiram de mortos em frente a um altar em um templo de Pequim para protestar.

Em março, artistas independentes da cidade de Changsha realizaram um funeral simbólico para o que imaginaram ser a morte do último cidadão da cidade por causa da poluição.

"Se a poluição atmosférica não pode ser efetivamente eliminada, o que vai nos sobrar é a morte", disse o artista Shao Jiajun.

O vidro com ar de Florença é um frasco com selo de borracha e um fecho de pressão. Ele tem três etiquetas de papel manuscritas: um com o nome e as coordenadas da aldeia francesa de Forcalquier onde o frasco foi fechado; um dizendo "Ar de Provença, França", em francês; e um com a sua assinatura em chinês e a data de 29 de março.

O comprador do vidro foi um empresário de Chengdu Li Yongzheng. "Eu sempre fui apreciador da arte conceitual do Kegang, e esta peça é muito oportuna", disse Li em entrevista.

O presidente chinês Xi Jinping brincou com delegados da província de Guizhou, durante o Congresso Nacional do Povo no mês passado, que a província poderia colocar seu ar à venda. Dias depois, departamento de turismo da província anunciou planos de vender ar comprimido como lembranças para turistas.

"Ar enlatado vai nos forçar a ficar comprometidos com a proteção ambiental", disse o diretor de turismo da província de Fu Yingchun.

Na província central de Henan, autoridades de turismo que promovem um resort ensacaram o ar puro da montanha e distribuíram no centro de Zhengzhou, capital da província.

Os moradores da cidade inalaram com avidez o ar ensacado distribuído como brinde, e alguns disseram que planejam visitar a estância da montanha para conseguir mais do que apenas uma golfada.

Chen Guangbiao, um magnata do setor de reciclagem, também oferece ar fresco enlatado por R$ 3 (o equivalente a R$ 6,60 no bazar online chinês Taobao.

Tudo o que sabemos sobre:
PoluiçãoChina

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.