Potencial de novas descobertas é muito grande, diz Gabrielli

Presidente da Petrobras afirma que não descarta novas descobertas na área dos campos de Tupi e Júpiter

João Caminoto, da Agência Estado,

23 de janeiro de 2008 | 11h53

O presidente da Petrobras, José Sérgio Gabrielli, manifestou confiança na possibilidade de descobertas de novas reservas de petróleo e gás nas áreas vizinhas aos campos de Tupi e Júpiter nos próximos meses.  "Não descartamos anúncios de novas descobertas no futuro, tanto pela Petrobras como por outras empresas que operam nessa enorme área pré-sal que se estende do norte de Santa Catarina ao norte do Espírito Santo", disse, em entrevista exclusiva à Agência Estado durante o primeiro dia do encontro anual do Forum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça. "O potencial de notícias positivas é muito grande." Gabrielli qualificou como "muito boa" a atual situação da Petrobras. "Fizemos duas grandes descobertas (os campos de Tupi e Júpiter) muito importantes, com enormes capacidades exploratórias", afirmou. "O volume dos poços perfurados nesses campos é muito grande."  No entanto, ele evitou quantificar o tamanho das reservas. "Ainda estamos uma fase muito preliminar de avaliação", disse, observando que a estimativa para o tamanho da reserva de Júpiter deverá ser concluída dentro de cerca de uma ano. Ele afirmou ainda que a Petrobras está preparada para importar gás "quando for necessário" e salientou que a estatal está construindo duas unidades de regasificação: no Rio de Janeiro, que será inaugura em maio ou junho deste ano, e outro no Ceará. Ele não quis revelar de onde a estatal vai importar gás. "Temos acordos com 21 diferentes fornecedores", disse.  Otimismo O diretor-financeiro da Petrobras, Almir Guilherme Barbassa, confirmou que não há uma estimativa para o tamanho da reserva de gás de Júpiter, mas salientou que as perspectivas são promissoras. Segundo ele, a descoberta deve tornar o Brasil auto-suficiente em gás natural. "O pessoal está muito otimista com a descoberta", disse Barbassa. Ele observou que o campo de Júpiter tem uma extensão estimada de 1.150 quilômetros quadrados, quase similar ao de Tupi, de 1.200 quilômetros quadrados. "É o mesmo tipo de reserva pré-sal, de alta produtividade em gás e óleo condensado, que é um petróleo super leve", disse. "O volume é muito grande e temos boas possibilidades." Segundo ele, a descoberta "deve tornar o País auto-suficiente em gás nos próximos anos." A estimativa para o tamanho do campo de Júpiter, acrescentou, não deve sair antes de 2009.

Mais conteúdo sobre:
PetrobrasCampo de Júpiter

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.