André Dusek|Estadão
André Dusek|Estadão

Potencial troca no comando da Vale pode penalizar investidor, diz BTG

Em relatório, analistas do banco avaliam que possível saída de Murilo Ferreira da presidência da mineradora ampliaria a percepção de risco político na companhia

Gabriela Mello, O Estado de S.Paulo

08 Junho 2016 | 12h33

O BTG Pactual avalia que a potencial troca no comando da Vale preocupa, uma vez que ampliaria a percepção de risco político na companhia, o que na visão do banco seria negativo e penalizaria investidores. Em relatório, os analistas Leonardo Correa e Caio Ribeiro classificam o atual presidente da mineradora, Murilo Ferreira, como "competente" e destacam que ele estaria preparando a Vale para prolongado ciclo de baixa de commodities. "Assim, não vemos necessidade de mudança na gestão neste momento, o que poderia acabar sendo prejudicial para os acionistas", acrescentaram.

O documento do banco cita, ainda, os feitos de Ferreira desde que assumiu a presidência em 2011. De acordo com o BTG Pactual, o custo à vista do minério de ferro caiu 47% no último ano, para US$ 12 a tonelada, enquanto as despesas declinaram quase 50% em um ano, para US$ 4 a tonelada, e a produtividade por trabalhador da empresa cresceu pelo menos 23%. "Bilhões de dólares foram destravados com a venda de ativos e uma drástica simplificação dos negócios está em andamento... Como temos dito nos últimos anos, acreditamos que a Vale é uma empresa bem administrada", afirmaram Correa e Ribeiro.

Os dois analistas avaliam também que não seria fácil para o novo governo substituir Murilo Ferreira, cujo mandato como presidente da Vale acaba em abril de 2017. Isso porque seria preciso o apoio de pelo menos 75% dos acionistas controladores. "Considerando que os players privados (Bradespar e Mitsui) detêm cerca de 40% da Valepar, o lado privado teria que aprovar qualquer mudança na gestão", explicaram.

Para o BTG Pactual, a liderança de Ferreira é "importante". Contudo, o banco segue cauteloso em relação aos negócios da mineradora, especialmente por causa dos preços do minério de ferro. "Também acreditamos que a volatilidade muito alta do preço do minério reduz a visibilidade do resultado", disseram os analistas. Por isso, o BTG reiterou a recomendação 'neutra' para as ações da Vale.

Outro lado. A Vale informa que não houve qualquer deliberação ou comunicação dos acionistas controladores no que diz respeito à substituição do presidente da mineradora, Murilo Ferreira, segundo comunicado enviado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

A empresa também esclarece no documento que o Conselho de Ministros de Governo de Moçambique aprovou os termos e condições gerais de um conjunto de documentos que faz parte do processo de financiamento do Corredor Logístico de Nacala. Mas falta ainda, de acordo com a Vale, negociar e cumprir diversas condições para a conclusão da transação do projeto de carvão naquele país. 

Mais conteúdo sobre:
Vale Btg Pactual

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.