Poucos sabem diferenciar genérico de similar

Embora a classificação de remédio similar tenha sido divulgada nos últimos dois anos, uma boa parcela da população não sabe o seu significado. Vendidos no País antes do lançamento dos genéricos, os similares são apresentados com o nome do princípio ativo da droga e não com nome fantasia.A diferença em relação aos genéricos é que similares não são submetidos a testes de bioequivalência e biodisponibilidade. Sem esses exames, não há como dizer se a dosagem ou posologia (quantas vezes o medicamento tem de ser tomado por dia) podem ser os mesmos que o do remédio de marca para fazer o mesmo efeito."Não saberia identificar um medicamento similar se ele fosse apresentado no lugar de um genérico no momento da compra", diz uma consumidora. Outra consumidora, de 43 anos, também não sabe diferenciar um similar de um genérico, apenas analisando a embalagem. "Talvez essa medida seja benéfica. Acho que, como eu, muitas pessoas também não sabem fazer a identificação." Com a nova regra, diz, pode haver um pouco mais de segurança. "Se remédios mais baratos não vão sair do mercado, tudo bem."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.