Poupança já chega a mais da metade dos brasileiros

No 1º semestre, aplicação financeira mais popular do País superou a marca de 100 milhões de depositantes, apesar das novas regras

EDUARDO CUCOLO / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

23 de setembro de 2012 | 03h08

Pela primeira vez na história, mais da metade dos brasileiros possui alguma economia depositada na caderneta de poupança. O investimento mais popular do País superou no primeiro semestre deste ano a marca inédita de 100 milhões de poupadores.

O recorde foi alcançado justamente no período em que o governo mudou a fórmula de correção dessa aplicação. E os responsáveis por esse resultado foram, principalmente, pequenos aplicadores, apesar de o número de grandes investidores também ter crescido.

Os dados fazem parte do censo semestral divulgado pelo Fundo Garantidor de Crédito (FGC), a entidade privada responsável por garantir as aplicações em até R$ 70 mil por pessoa em caso de quebra de algum banco. Em junho deste ano, havia 102,2 milhões de CPFs com pelo menos uma caderneta aberta. Considerando a estimativa oficial para a população, 53% dos brasileiros têm pelo menos uma caderneta.

O número de pessoas com aplicações de até R$ 100 na caderneta cresceu 10% em relação a dezembro do ano passado. Isso representa o ingresso de 5 milhões de poupadores nessa faixa de investimento.

Também houve aumento no número de grandes investidores. Há cerca de 350 mil pessoas com aplicações acima de R$ 10 mil. Já as poupanças com saldo entre R$ 100 e R$ 10 mil perderam participação no total. A quantidade de investidores nessa faixa caiu, com a saída de 1,2 milhão de pessoas.

Para a Caixa Econômica Federal, responsável por quase 40% da captação registrada neste ano, o desempenho da poupança pode ser atribuído, principalmente, à boa rentabilidade para aplicações no curto prazo.

A queda na taxa básica de juros, que derrubou o rendimento das aplicações de renda fixa, teve impacto maior sobre fundos que cobram altas taxas de administração. A vantagem da poupança, além de não ter taxa, é a isenção de Imposto de Renda, que fica com até 22,5% do rendimento das outras aplicações de renda fixa.

"Para aplicações de até 12 meses, a poupança continua ganhando em rentabilidade, por exemplo, dos fundos de renda fixa DI com taxa de administração acima de 0,85% e dos CDBs de varejo que pagam abaixo de 88,4% do CDI", diz o vice-presidente de Pessoa Física da Caixa, Fábio Lenza.

Segundo ele, mesmo com a regra nova que reduz a rentabilidade para 70% da taxa Selic, a caderneta garante um bom retorno ao investidor.

Milhão. O número de "milionários" com aplicação na caderneta cresceu 17% no semestre. São 1.178 pessoas a mais nesse grupo de "elite", que é formado agora por 8.296 brasileiros. Esses grandes investidores tinham, no final de junho, um saldo médio de R$ 3,5 milhões aplicados na caderneta. Considerando todos os aplicadores, o saldo médio da poupança é de R$ 4.396,98, um aumento de 2,5% em relação ao verificado no fim de 2011.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.