Poupança já rende mais que um terço dos fundos DI

Em janeiro, porcentual de fundos que ficaram atrás[br]da caderneta era de 15%; agora, já chega a 28%

Leandro Modé, O Estadao de S.Paulo

19 de junho de 2009 | 00h00

Um em cada três fundos de investimento que acompanham a evolução da taxa básica de juros (Selic) já rendem menos do que a caderneta de poupança. É o que mostra um levantamento feito a pedido do Estado pela Advisor Asset Management, com dados da Quantum Axis, um sistema de informação e análise de fundos.   Veja também: Bancos tentam tornar seus fundos de investimento mais atraentes  Appy nega que haja migração para a poupança Ações terão mais espaço nos planos de previdência Sistema de débito direto substituirá o boleto bancário  Número de cheques devolvidos bate recorde Taxa média de juro de pessoa física cai 0,05 ponto em maio Demian Fiocca vai presidir a Nossa Caixa   Como será cobrado o IR da poupança Segundo foi apurado, 28% dos 458 fundos da categoria DI tiveram em maio uma rentabilidade inferior à da poupança (que ganhou 0,55% no mês). Em janeiro, o porcentual de fundos que ficaram atrás da caderneta era de 15%. Esses resultados consideram uma alíquota de Imposto de Renda (IR) de 22,5%. A tabela de tributação no Brasil é regressiva. Uma aplicação até seis meses cobra 22,5% sobre o lucro apurado. Entre seis meses e um ano, 20%. De um ano a um ano e meio, o porcentual cai para 17,5%. A partir de um ano e meio, recua para 15% e aí para. Se for levada em conta a alíquota de 15%, a quantidade de fundos que perde para a caderneta evidentemente cai. Mas a tendência permanece: em janeiro, 9% dos fundos DI perderam da poupança (que rendeu 0,68%), ante 16% em maio. "Esse movimento ocorreu em consequência da redução da taxa Selic no período", afirmou o sócio-diretor da Advisor, Andre Delben. Em junho, disse, a quantidade de fundos que renderão menos do que a caderneta será ainda maior, por causa da queda do juro promovida pelo Banco Central (BC) no dia 10. Delben observa ainda que, se o BC cortar de novo a Selic na reunião de 21 e 22 de julho, a tendência vai se manter. A taxa básica de juros iniciou o ano em 13,75% ao ano. A partir de janeiro, começou a ser reduzida, até chegar aos atuais 9,25%, menor nível da história do País. Os fundos DI tinham patrimônio de quase R$ 188 bilhões no fim de maio, o equivalente a quase 15% do total de recursos da indústria brasileira de fundos.A categoria é a segunda maior, atrás apenas dos fundos de renda fixa (27% do total). Esses, aliás, também são afetados pela queda do juro básico, mas em menor escala. "Eles possuem papéis de empresas privadas e os títulos públicos que têm na carteira são prefixados", destacou o professor do Laboratório de Finanças (Labfin) da Fundação Instituto de Administração (FIA), Rafael Paschoarelli.Para Delben, a perda de competitividade dos fundos DI em relação à poupança marca o início de uma mudança que culminará em um novo perfil do mercado de fundos no País. "O investidor vai querer migrar para aplicações de mais risco", disse. "Os bancos, por sua vez, procurarão oferecer opções de investimento que envolvam mais a habilidade do gestor. Com esses produtos mais sofisticados, poderão cobrar taxas de administração mais altas."Ele observa, porém, que o mercado futuro projeta uma alta do juro em 2010. É algo que, se confirmado - o próprio Delben discorda dessa visão -, interromperá, ao menos por um tempo, o processo que começa a se delinear agora.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.