Poupança: maior perda do ano

A perda de recursos da caderneta de poupança foi a mais alta do ano em setembro. Segundo dados divulgados pelo Banco Central, em setembro a captação líquida da poupança (diferença entre depósitos e saques mais correção monetária) foi de R$ 1,179 bilhão negativos. No mesmo período os Fundos de Investimentos Financeiros (FIFs) tiveram uma captação positiva de R$ 6,391 bilhões.Segundo a área técnica do Banco Central, o movimento de saque na poupança vem desde o início do ano. O dinheiro sacado pelos investidores da caderneta está migrando para os FIFs. A causa, segundo o BC, é o baixo rendimento da poupança. Enquanto a caderneta corrigiu os saldos dos seus depositantes em 0,63% no mês de setembro, o dinheiro aplicado nos fundos rendeu, em média, cerca de 2%. De acordo o BC, nos primeiros nove meses do ano a poupança só foi positiva nos meses de janeiro e junho. Em todos os demais sete meses os saques superaram os depósitos e, mesmo contando com a correção monetária pela Taxa Referencial de Juros (TR) mais juros de 0,5% ao mês, o resultado foi negativo. A perda acumulada no ano já ultrapassa R$ 1,74 bilhão. Com tanto saque, o saldo da caderneta de poupança vem diminuindo. Em agosto, o saldo de todas as contas estava em R$ 110,15 bilhões. Em setembro, caiu para R$ 108,97 bilhões. Enquanto isso os FIFs só engordaram. O saldo, que era inferior a R$ 250 bilhões no início de setembro, ultrapassou a R$ 257 bilhões no final do mês.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.