Poupança perde investimento em março

As cadernetas de poupança voltaram a sofrer fortes retiradas em março. Depois de quatro meses com saldo crescente, as contas perderam R$ 653,459 milhões no mês passado. A última queda das cadernetas havia ocorrido em outubro do ano passado quando estas contas tiveram uma fuga de R$ 771,952 milhões. Os dados foram divulgados, ontem, pelo Banco Central, e informam que o estoque da poupança caiu de R$ 112,3 bilhões em fevereiro para R$ 111,7 bilhões em março. A perda, no entanto, já não surpreende os técnicos do Banco Central e, segundo um deles, no mês passado a queda não foi tão grande assim. Na avaliação destes técnicos, a volatilidade da poupança tem ocorrido porcausa da grande competitividade. "A poupança só tem tido bom comportamento nos meses tradicionais", afirmou um técnico. Ele referiu-se aos meses de dezembro, quando é pago o 13º salário, e a janeiro, quando boa parte dos trabalhadores recebe férias. Em dezembro, por exemplo, as contas de poupança tiveram um ganho superior a R$ 3 bilhões no saldo.Recursos retirados da poupança estão sendo aplicados em renda fixaNo BC os técnicos admitem também que os recursos retirados da poupança têm sido aplicado em fundos de renda fixa. "Além do rendimento mais alto, os fundos têm mais flexibilidade e são mais simples de operar", destacou um deles. Estas aplicações saíram de um estoque acumulado em R$ 4 bilhões em fevereiro para R$ 6 bilhões no mês passado.Uma das desvantagens da poupança, segundo um dos técnicos, continua sendo a dificuldade de operar. Pois a aplicação tem data fixa para a retirada. Ao mesmo tempo, os fundos oferecem a facilidade de saque diário depois de cumprido um prazo. Pela sistemática adotada hoje pelo Banco Central a captação líquida da poupança inclui os rendimentos. Anteriormente, esta captação refletia apenas o volume de depósitos menos retiradas. Quando começaram a ocorrer as maiores perdas, o BC decidiu incluir os rendimentos na conta final.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.