PPP inaugura nova fase do saneamento, diz Dilma Pena

A assinatura do contrato de Parceria Público-Privada (PPP) do Alto Tietê pela Companhia de Saneamento Básico de São Paulo (Sabesp) e pelo consórcio Águas de São Paulo, formado pela Companhia Águas do Brasil (CAB Ambiental) e pela Galvão Engenharia, inaugura uma nova fase no setor de saneamento, segundo a secretária de Saneamento e Energia do Estado de São Paulo, Dilma Pena. O contrato da PPP foi assinado hoje."A PPP está mobilizando uma fonte não tradicional de financiamento para o saneamento: o setor privado", disse a secretária. Dilma Pena destacou que o setor sempre foi financiado, inicialmente, pelo Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) e, mais recentemente, pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e por fontes de recursos próprias das empresas."Hoje, finalizamos uma etapa de trabalho e iniciamos outra tão importante quanto a primeira. Precisamos de mais 5 metros cúbicos de água por segundo em dois anos no máximo", disse a secretária durante a cerimônia de assinatura do contrato. Com as obras da PPP, a oferta de água do Sistema Produtor Alto Tietê passará de 10 metros cúbicos por segundo para 15 metros cúbicos por segundo.Na cerimônia, o presidente da Sabesp, Gesner Oliveira, disse que a companhia fará o que puder para garantir o máximo de celeridade para os investimentos da PPP.Oliveira afirmou ainda que a assinatura da PPP do Alto Tietê demonstra o "compromisso da empresa, seguindo a orientação de política pública do governo, de aumentar, rapidamente, a oferta de água para a região metropolitana de São Paulo". Segundo Oliveira, a PPP é o formato adequado para isso, à medida que possibilita elevar a oferta de água do Sistema Alto Tietê com grande velocidade.

CHIARA QUINTÃO, Agencia Estado

18 de junho de 2008 | 17h52

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.