PPP poderá receber até 15% dos recursos dos fundos de pensão

O presidente da Associação Brasileira das Entidades Fechadas de Previdência Complementar (Abrapp), Fernando Pimentel, disse que a entidade criou grupo de trabalho para atuação conjunta com o Ministério do Planejamento para desenvolver investimentos em infra-estrutura na Parceria Público-Privada (PPP). Ele disse que os fundos de pensão, por seu perfil de investimentos de mais longo prazo, têm as qualidades para investir no setor de infra-estrutura, desde que os projetos garantam rentabilidade, segurança e liquidez para o pagamento futuro das aposentadorias complementares.De acordo com Pimentel, os investimentos terão a análise de cada fundo e poderá chegar a 15%. Ele afirmou que os fundos de instituidores ? criados por associações, como o Sindicatos dos Engenheiros do Estado de São Paulo e a Associação dos Ex-Alunos da Fundação Getúlio Vargas ? e os fundos dos novos servidores públicos têm uma perspectiva de mais longo prazo e são adequados para investimentos em infra-estrutura. O presidente da Abrapp acredita que um dos instrumentos mais adequados para a participação dos fundos de pensão nos projetos de infra-estrutura é por meio das debêntures ? títulos de renda fixa emitidos por companhias abertas. Ele disse que alguns fundos de pensão não poderão participar devido ao prazo de maturação de suas carteiras. Pimentel observa que alguns fundos têm mais de 25 anos de existência e já estão na fase de encurtar o prazo de suas aplicações para criar liquidez para o pagamento das aposentadorias. Segundo Pimentel, o perfil dos investimentos (total de R$ 189,08 bilhões) dos fundos de pensão é o seguinte (dados de julho de 2003): renda fixa (R$ 121,06 bilhões); renda variável (R$ 49,5 bilhões); imóveis (R$ 11,3 bilhões); e empréstimos (R$ 7,13 bilhões).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.