PPPs ganham reforço com Mantega no BNDES, aponta Price

A nomeação do ex-ministro do Planejamento Guido Mantega para a presidência do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), em substituição a Carlos Lessa, deve agilizar a concretização das Parcerias Público-Privadas (PPPs) no País. A opinião é do diretor da PricewaterhouseCoopers, Paulo Dal Fabbro, consultor nas áreas de Governo, Infra-estrutura e Serviços. "O ministro Mantega é praticamente o pai do projeto (das PPPs) e isso permite a ele conhecer muito bem as prioridades e os riscos", diz Dal Fabbro.Essa intimidade, explica o consultor, vai contribuir sobretudo na elaboração dos estudos de viabilidade econômica e dos projetos que serão executados via parcerias, por parte do corpo técnico do BNDES. "O BNDES terá papel fundamental na execução das PPPs e o fato de ele (Mantega) ter acompanhado o projeto por tanto tempo, colabora substancialmente para que o corpo técnico do banco tenha projetos bem estruturados", ressalta.Para o consultor, uma das medidas que poderiam contribuir para o bom andamento das PPPs no País seria a entrada do BNDES como gestor dos projetos. "Com o Lessa, não havia esse interesse. Mas não se sabe se o Mantega vai mudar isso", afirma. O projeto que institui as PPPs será votado na semana que vem na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.