Márcio Fernandes/Estadão
Márcio Fernandes/Estadão

Prática da ‘troca com troco’ volta a ser adotada por concessionárias

Modalidade comum no passado recente volta e ajuda consumidor a escapar de dívidas e loja a reduzir estoques

Márcia De Chiara, O Estado de S. Paulo

16 de março de 2014 | 22h28

A velha prática de "troca com troco" voltou a ser adotada por algumas concessionárias de veículos em São Paulo para desovar os estoques. Nessa modalidade de venda, comum no período de boom de consumo que houve no passado recente, o cliente dava o veículo usado como pagamento, que era considerado parte da entrada, e ainda saía com dinheiro no bolso, financiando o restante do valor do carro.

Foi exatamente atraído por essa facilidade que o corretor de imóveis Michel Elias Correa Ribeiro, de 31 anos, casado e pai de um filho, comprou um modelo Chevrolet Onix zero quilômetro, motor 1.0 completo, com ar condicionado, direção hidráulica e freio ABS na semana passada por R$ 35.990 na concessionária Palazzo.

Pelo fato de estar com um volume de estoques dez dias acima do normal, a revenda decidiu retomar a velha tática do passado, mas para um período curto de tempo. A promoção começou na quinta-feira e termina hoje.

"Fui atraído pela troca com troco. Precisava do dinheiro para quitar pendências do cheque especial e despesas de início de ano", informa o corretor.

Pelo seu Corolla 2009, com 79 mil quilômetros rodados, a concessionária pagou R$ 40 mil. Desse total, R$ 18 mil ficaram como entrada e R$ 22 mil foram diretamente para a conta corrente do corretor. O saldo de R$ 17.990 foi parcelado em 24 meses, sem juros, com prestações mensais de R$ 749,58.

Cautela. A compra do carro zero nessa modalidade de pagamento foi considerada um bom negócio por Ribeiro, que estava pagando R$ 700 por mês só de juros no cheque especial e agora vai poder quitar a dívida. No ano passado, ele se endividou além da conta e chegou a atrasar alguns pagamentos.

Os planos do corretor de imóveis para este ano são mais cautelosos. Como na sua profissão ele não dispõe de um salário fixo e consegue receber uma boa quantia apenas quando fecha uma venda, Ribeiro pretende a partir de agora se endividar menos do que no passado. "De prestação vou manter apenas a do carro e a da casa", planeja.

Essa modalidade de vendas deu um alívio para as finanças do corretor e também para os estoques da concessionária. Segundo o diretor comercial da revenda, Wilson Goes, em apenas dois dias de promoção a Palazzo conseguiu dobrar o número de veículos vendidos em relação a um dia normal.

Quanto ao risco maior de inadimplência proporcionado pela volta da modalidade conhecida como troca com troco, o diretor comercial explica que a chance é menor porque, ao contrário do passado, hoje o prazo de financiamento é menor do que há dois ou três anos e há exigência de entrada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.