Prazo longo leva à inadimplência

A desorganização e a falta de controle do orçamento mensal são os principais motivos que levam o consumidor que contrata um crédito a longo prazo se tornar inadimplente. Segundo o assessor econômico da Centralização de Serviço dos Bancos (Serasa), Carlos Henrique de Almeida, o brasileiro é um bom pagador, mas não tem disciplina e cautela para parcelas dívidas em prazos extensos.Carlos Henrique analisa o caso baseado em uma pesquisa nacional realizada pela Serasa com cheques pré-datados entre fevereiro de 2000 e fevereiro de 2001. A Serasa avaliou 1,5 milhão de pré-datados e constatou que a probabilidade de um cheque à vista ser devolvido é de 0,22%. Já para os cheques emitidos para compensação depois de 61 dias e antes de 90 dias, a probabilidade sobe para 3,17%. Para os cheques a serem compensados depois de 180 dias da emissão, a probabilidade é de 10,34%.O estudo deixa claro que quanto maior o alongamento da dívida, maior é o risco da inadimplência. "Atualmente, os lojistas estão parcelando as dívidas em até 12 vezes no cheque pré-datado. Ou seja, estão correndo risco de calote", alerta. Desorganização das finanças leva à inadimplênciaO cheque pré-datado é um instrumento de pagamento muito empregado, de acordo com o assessor econômico da Serasa, mas o consumidor deve ter um controle sobre as folhas emitidas para compras a prazo. "Nas compras parceladas com cheque pré-datado, ocorrem vários casos de cheques devolvidos porque muitos consumidores se esquecem de seus compromissos e não se planejam para o pagamento da dívida", explica.O assessor econômico da Serasa aconselha o consumidor a planejar cuidadosamente seu orçamento. Ele ressalta que, além das despesas fixas (água, luz, telefone e gás), o consumidor deve fazer uma reserva para despesas eventuais como custos com médico, problemas no veículo, despesas com filhos, o desemprego de um membro da família, por exemplo. "Os fatos inesperados podem levar consumidor a se tornar inadimplente. O orçamento deve ser estudado com cautela para evitar surpresas", explica.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.