Sérgio Castro/Estadão
Sérgio Castro/Estadão

Prazo para adesão ao plano de demissões da Embraer começa na próxima terça-feira

Funcionários poderão se inscrever até o dia 14 de setembro; empregados que aderirem serão desligados na primeira semana de outubro

Victor Aguiar, O Estado de S.Paulo

17 de agosto de 2016 | 19h54

SÃO PAULO - O prazo para adesão ao Plano de Demissões Voluntárias (PDV) da Embraer, anunciado pela empresa na última semana, terá início na próxima terça-feira, 23, e se encerrará em 14 de setembro, informou nesta quarta-feira, 17, a companhia. Segundo a Embraer, as inscrições serão analisadas até 23 de setembro, e todos os empregados que aderirem ao PDV terão seu desligamento realizado na primeira semana de outubro.

Em nota enviada ao Broadcast, sistema de notícias em tempo real da Agência Estado, a empresa afirma que o programa será aberto a todos os empregados de todas as unidades do Brasil. De acordo com a Embraer, o pacote de incentivos para quem aderir ao PDV inclui o pagamento rescisório equivalente a desligamento sem justa causa e uma indenização adicional proporcional ao tempo de empresa, de 40% do salário nominal por ano de casa, garantindo um mínimo de dois salários nominais brutos.

O pacote de incentivo será isento de Imposto de Renda, em conformidade com a legislação vigente. A Embraer também oferecerá o pagamento de seis meses do plano de saúde e de assistência odontológica para o empregado e dependentes já cadastrados, além de apoio e orientação para o processo de transição de carreira ou de aposentadoria.

Também em nota, o Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos afirma que é contra qualquer demissão e, por isso, não irá apoiar o plano. "Não existe PDV bom. PDV é demissão e não podemos aceitar. A Embraer foi amplamente beneficiada por financiamentos e incentivos fiscais do governo federal e, agora, quer realizar demissão em massa. Não aceitaremos mais esse grave ataque que a Embraer quer fazer contra os trabalhadores", afirma o vice-presidente licenciado do Sindicato, Herbert Claros da Silva.

PDV. No dia 8, a Embraer informou aos empregados que iria adotar uma série de medidas visando a redução de custos em suas unidades e negócios em todo o mundo, incluindo a redução de estoques e a revisão de contratos com fornecedores - as iniciativas também englobavam a adoção de um PDV.

Segundo a companhia, o objetivo é economizar cerca de US$ 200 milhões com o conjunto de medidas para a revisão de custos, incluindo o plano de demissões. Este é o mesmo montante provisionado pela empresa no segundo trimestre de 2016, relacionado à investigação nos Estados Unidos sobre alegação de "não conformidade" com a legislação americana anticorrupção. 

Tudo o que sabemos sobre:
SÃO PAULOEmbraerSindicato

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.