Prazo vence, mas Transbrasil promete entregar plano ao DAC

A Transbrasil informou nesta quinta-feira que planeja entregar terça-feira ao Departamento de Aviação Civil (DAC) o plano de retomada de operações. O prazo, que já havia sido prorrogado anteriormente, terminou hoje. No fim da tarde, o DAC divulgou que ainda não havia recebido a solicitação de prorrogação e que o prazo não havia sido alterado. Apesar do desencontro de informações, o descumprimento do prazo não altera em muita coisa a situação da empresa.Segundo a assessoria do DAC, na prática a empresa terá de abrir novo processo no órgão para aprovar o retorno às operações e mudanças de diretoria. Com isso, a companhia ganhará mais tempo para encontrar solução para o problema financeiro e, caso o projeto dê certo, preparar a retomada de operações.De concreto, a Transbrasil está com o Cheta, um certificado técnico-operacional, suspenso por falta de condições para voltar a voar, conforme diagnóstico da fiscalização do DAC. A concessão de empresa de transporte aéreo e os horários de vôos ainda vigoram. Mas ela não pode levantar vôo por não ter mais o certificado, até que readquira as condições necessárias, o que, segundo especialistas, pode levar em torno de um mês.A empresa ficou de apresentar toda a documentação jurídica, econômica e técnico-operacional para autorizar as mudanças de diretoria da empresa e a retomada de operações. A situação é peculiar porque a última ata da empresa apresentada ao DAC dava conta, ainda, da entrada do empresário Dilson Prado da Fonseca no capital e na diretoria. No fim de janeiro, ele foi afastado da companhia aérea.Além disso, depois de ter o certificado suspenso, a Transbrasil também tem de provar ao departamento, de forma detalhada, que tem condições técnicas para voltar a operar.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.