Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Pré-sal criou apenas expectativa no mercado imoboliário

Venda de imóveis já apresenta queda na Baixada Santista

Agnaldo Brito, de O Estado de S. Paulo,

13 de novembro de 2013 | 16h26

SANTOS - Nem Bacia de Santos, nem tampouco pré-sal. O que moveu o mercado imobiliário da Baixada Santista nos últimos anos foi a oferta de crédito, o Porto de Santos e polo industrial de Cubatão.

Para o diretor regional do Secovi, em Santos, Renato Monteiro, a expansão imobiliária na Baixada Santista foi similar àquela observada em outras regiões do País e o pré-sal criou mais expectativa do que negócios. A frustração já foi sentida, e a corrida de antes dá sinais de que está se esgotando.

Segundo Monteiro, a velocidade de venda dos imóveis caiu e os preços pararam de subir, um indicador de que o ritmo do setor não é mais o mesmo.

"O número de lançamentos é bem menor neste momento, e o que é necessário é entregar as unidades que foram vendidas. Os preços estão estáveis, sobem ao ritmo do INPC. O pré-sal foi mais comemorado pela imprensa do que pelo mercado", afirma Monteiro.

Talvez o atraso do pré-sal não tenha sido uma notícia ruim. A região ainda tem inúmeros problemas para resolver com o atual estágio de ocupação. Os ciclos econômicos anteriores deixaram um enorme passivo ambiental e social.

A estratégia das autoridades da região metropolitana da Baixada Santista é entregar para os agentes desse novo ciclo de desenvolvimento impulsionado pela indústria do petróleo a conta das soluções dos problemas que foram criados no passado.

A expansão imobiliária enfrenta claros limites. A previsão do Secovi é que, caso haja nova aceleração do mercado imobiliário - enfim por causa do pré-sal -, a principal opção será o município de Praia Grande. "É o único lugar onde ainda há algum espaço", diz Monteiro.

Mas, neste caso, o problema é de locomoção, um desafio para o já afogado complexo viário da região. O governo de São Paulo constrói neste momento o projeto do Veículo Leve sobre Trilhos, mas esse é um empreendimento com dimensões bem acanhadas para a solução da mobilidade urbana numa região com mais de 1,7 milhão de habitantes. Na Baixada, o pré-sal é hoje mais dúvidas do que certezas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.