André Dusek
André Dusek
Imagem Celso Ming
Colunista
Celso Ming
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Precarização

A aprovação da terceirização irrestrita ficou inevitável; o novo ritmo de produção é que está transformando as relações de trabalho

Celso Ming, O Estado de S.Paulo

23 de março de 2017 | 21h00

A aprovação do projeto de lei da terceirização ficou inevitável diante das novas exigências da economia e da modernização das relações de trabalho.

A regra anterior à lei aprovada na Câmara foi estabelecida a partir da Súmula 331 da Justiça do Trabalho, de 1993, mas ficou impraticável. Ela autorizava a terceirização apenas na contratação de atividades-meio e não nas atividades-fim. A partir dessa decisão, uma indústria podia terceirizar serviços de limpeza, de telefonia ou de segurança – setores que, em princípio, não fazem parte do núcleo de seu negócio – e não de atividade inerente à sua linha de produção. Na prática, ficou impossível definir o que fosse atividade-fim e atividade-meio. Por que uma construtora não poderia contratar empresas que se encarregassem da instalação elétrica, da rede hidráulica, da aplicação de azulejos e dos serviços de pintura, todas essas atividades-fim de uma construtora? Por que uma indústria de celulose, como a Cenibra, foi proibida de contratar serviços de corte de madeira em seus próprios eucaliptais, se poderia comprar a matéria-prima de outros fornecedores? Uma empresa agrícola não pode utilizar serviços de terceiros para o preparo de terra ou para colheita?

Toda mudança importante nas relações de produção mexe com o emprego e quase inevitavelmente é percebida como precarização. E, muitas vezes, é. Mas, hoje, o argumento de que a terceirização precariza o emprego é brandido ou por quem defende privilégios corporativos ou por quem tem dificuldades para lidar com novidade no trabalho.

A maioria das empresas estatais, por exemplo, concedeu no passado benefícios privilegiados a seus funcionários e tem recorrido à terceirização para reduzir custos. O pessoal assim contratado não tem direito às mesmas vantagens. Quem se pendura nesses benefícios imagina que mais cedo ou mais tarde perderá alguns deles ou todos, porque a terceirização prevê outro tipo de contrato. E reage contra ela.

Outra classe de opositores adverte que a terceirização e/ou a “pejotização” (empresas de pessoas físicas) sabotam a cobrança de contribuições para a Previdência Social e contribuem para o aumento do rombo.

Esse enfoque está errado em um ponto essencial. Não é a terceirização que está transformando as relações de trabalho e, em certa medida, corroendo as bases da Previdência. É a nova arrumação da produção e a utilização cada vez mais intensiva de tecnologias poupadoras de mão de obra, como a automação, a robotização, a inteligência artificial, a tecnologia de informação e toda a parafernália digital, imprescindível nas relações de produção, que estão exigindo mudanças na contratação de serviços.

A história das relações de trabalho está permeada por resistências a novidades e por queixas de precarização. Quando criou a imprensa baseada em tipos móveis, Gutenberg foi acusado de desestruturar o trabalho dos copistas que passavam a vida transcrevendo livros e documentos antigos. No início do século 19, os trabalhadores do setor têxtil da Inglaterra quebraram máquinas (movimento luddista) porque viram na utilização de teares automáticos o instrumento de precarização das suas condições de trabalho.

Esses exemplos mostram que é preciso se adaptar às mudanças e não brigar contra elas.

CONFIRA:

Encalhe das carnes

O escândalo da carne tende a produzir uma desintegrante queda da inflação. Os enormes encalhes de todos os tipos de carne, para exportação e para o mercado interno, deverão produzir novas quedas dos preços dos alimentos. As tabelas do IPCA-15 já mostraram certo recuo nos preços desse item de 0,07% em fevereiro e de 0,08% em março (até dia 15).

Rações

Também devem cair temporariamente os preços das rações, na cola da redução da produção de aves e de suínos.

Sem sustentação

Esse é o tipo de queda de preços que não ajuda ninguém. Ela é necessariamente de curto prazo, porque persistirá apenas enquanto durar o excesso de estoques. Como o estouro do escândalo deve desequilibrar o setor, o que estiver sobrando agora vai acabar faltando dentro de mais algumas semanas, porque o fluxo de toda a cadeia produtiva do setor foi truncado. E os preços seguirão atrás.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.