Gettyimages
Gettyimages

finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Precisa de um descanso da internet?

Cresce nos Estados Unidos número de hotéis especializados em 'desintoxicação digital'

MASUMA AHUJA , THE WASHINGTON POST , O Estado de S.Paulo

15 de novembro de 2013 | 02h13

A cada par de semanas um grupo de pessoas - comumente uma dezena de profissionais do Vale do Silício e Wall Street, acadêmicos e gente de Hollywood - paga pelo privilégio de abandonar seus smartphones, laptops, PCs e tablets, e passar alguns dias num hotel na Califórnia, para uma "desintoxicação digital".

Sem suas telas, eles caminham, nadam e praticam ioga num esforço deliberado para restabelecer algum equilíbrio nas suas vidas, após terem ido longe demais nos atos de navegar, mandar mensagens de texto e "tuítar".

Essas escapadas são cada vez mais comuns. Chamadas de dieta digital, desconexão, desintoxicação ou abandono da rede, elas fazem parte de um movimento crescente para ajudar os americanos ligados demais a se afastar um pouco da tecnologia e das mídias digitais.

Alguns hotéis fizeram experiências criando pacotes para visitantes que querem ficar livres da tecnologia. O "check-in" e o "check-out" no Lake Placid Lodge nas montanhas de Adirondacks, em Nova York, por exemplo, exige que os hóspedes deixem seus aparelhos eletrônicos na recepção e os substituam por atividades como aulas de culinária, pesca e leitura de um livro best-seller em papel.

Os hotéis Marriott e Renaissance, no Caribe e no México, estabeleceram áreas sem tecnologia chamadas "Braincation Zones" (um trocadilho com as palavras cérebro e férias, em inglês), onde os hóspedes são incentivados a conversar, ler e jogar jogos.

Nos últimos quatro anos, uma organização chamada Reboot (reiniciar, em inglês) organizou um "Dia Nacional de Desconexão". Durante 24 horas, começando no entardecer da primeira sexta-feira de março, os participantes do evento prometem fazer uma pausa total da internet.

Ironicamente, existem até aplicativos que podem ser baixados para se desconectar. Um programa chamado Freedom bloqueia o acesso à internet no seu computador por até oito horas. Outro, chamado SelfControl, permite que você bloqueie websites específicos por 24 horas de uma só vez.

Steve Lambert, fundador do SelfControl, diz que o valor do seu aplicativo é que ele deixa os usuários conscientes do seu comportamento - vendo-se bloqueados cada vez que tentam entrar no Facebook, por exemplo, eles percebem como é frequente esse comportamento.

Levi Felix, fundador do Digital Detox, diz que o objetivo desses retiros sem tecnologia não é desligar completamente as pessoas, mas ajudá-las a serem mais "conscientes" do uso da tecnologia.

Em 2011, mais de 27% dos americanos estavam "conectados em alto grau", ou seja, estavam conectados à internet a partir de múltiplos locais e aparelhos, segundo o US Census Bureau.

Já a consultoria Nielsen diz que 60% dos americanos possuem smartphones - dando a eles a capacidade constante de acessar a internet, e-mails e as redes sociais. Algo que traz a expectativa de estar sempre online.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.