Preço alto do trigo é quase proibitivo para indústria de ração

Os preços crescentes do trigo podem ficar tão altos que os produtores precisarão reduzir seu uso para ração animal, dando a eles poucas opções para alimentar o rebanho num período em que milho e soja já estão caros, disseram analistas e traders nesta quinta-feira.

SARAH MORTIMER, Reuters

16 de agosto de 2012 | 16h31

O Departamento de Agricultura dos Estados Unidos estima que os estoques globais em 2012/13 devem cair 6 por cento ante o ano anterior para a mínima de quatro anos de 177 milhões de toneladas.

Os preços do milho subiram 50 por cento e da soja cerca de 20 por cento nas seis semanas encerradas no final de julho em meio à onda de calor e seca que atingiu os Estados Unidos.

Os preços do trigo seguiram os do milho e subiram 50 por cento no mesmo período, o que já atingiu as indústrias de ração e os criadores.

"Os preços de trigo para ração devem subir mais rápido do que o de moagem, uma vez que a colheita da UE está completa", disse James Dunsterville, analista da consultoria Agrinews, com sede em Genebra.

"Se tivermos clima seco e quente na Austrália, não apenas veremos uma redução na produtividade e consequentemente na produção, mas também normalmente o clima seco significa boa qualidade, portanto pouco trigo para ração. Como está, não há muito trigo para ração, com a melhor qualidade das safra do Mar Negro".

Os importadores de trigo para ração estão preocupados quanto à queda na produção em exportadores como Rússia e Austrália e quanto ao potencial de cereal com qualidade para indústria de alimentos em tradicionais exportadores de trigo para ração, como Ucrânia e da região dos Balcãs.

A possibilidade de restrições às exportações pela Rússia, que em anos normais é o terceiro maior exportador de trigo, podem esgotar ainda mais os estoques globais. Em 2010, a Rússia proibiu a exportação de trigo por quase um ano depois que uma seca severa reduziu drasticamente sua produção.

(Reportagem adicional de Polina Devitt e Melissa Aikin em Moscou, Ivana Sekularac em Amsterdã e Pavel Polityuk em Kiev)

Tudo o que sabemos sobre:
COMMODSTRIGOANALISE*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.