Preço da ação da Varig desaba

O preço das ações da Varig está em forte queda na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa). Às 15h07, as ações preferenciais da companhia (PN, sem direito a voto) estão no patamar mínimo do dia, em R$ 1,75, uma queda de 51,39% em relação aos últimos negócios de ontem. Desde a abertura dos negócios, as ações da Varig estão com forte oscilação. Abriram a R$ 4,00 e oscilaram entre a máxima de R$ 4,20 e a mínima de R$ 1,52.No leilão da Varig realizado hoje, não foram apresentadas propostas na primeira etapa. Na segunda etapa, apenas o grupo formado pelos trabalhadores da Varig (TGV) entregou proposta para compra de toda a companhia aérea. Contudo, o valor oferecido, de US$ 449,048 milhões, é inferior ao preço mínimo estabelecido.Na segunda etapa, não havia valor mínimo a ser cumprido para a oferta, diferentemente da primeira etapa, em que os lances deveriam ser de valor igual ou superior ao preço mínimo fixado tanto para a companhia inteira (US$ 860 milhões) como para a parte doméstica (US$ 700 milhões). O leilão foi para a segunda etapa porque a primeira fracassou. Dos cinco investidores que se pré-qualificaram para o leilão, nenhum apresentou proposta. O valor ofertado pelo TGV corresponde a um deságio de 47,8% sobre o mínimo proposto na primeira fase do leilão, que era de US$ 860 milhões. A proposta do TGV equivale a R$ 1,010 bilhão. Desse total, R$ 225 milhões serão pagos em créditos concursais e extra-concursais, R$ 500 milhões em debêntures da nova companhia e R$ 285 milhões em dinheiro.Outros investidores podem estar associados aos Trabalhadores do Grupo Varig para a compra da companhia aérea. A informação é do presidente da Associação de Mecânicos de Vôo da Varig (AMVAR), Oscar Bürgel, que integra o TGV. Segundo ele, há três investidores associados com o TGV para comprar a Varig. Contudo, ele não revelou os nomes, limitando-se a dizer que entre estes três investidores estariam uma empresa aérea, ou um fundo de investimento ou um banco.Possível falênciaAyoub descartou a possibilidade de ser realizado um novo leilão pela Varig, caso a proposta feita pelos Trabalhadores do Grupo Varig não seja validada. Ele descartou também a falência da empresa, mesmo que a proposta não seja aceita. Segundo ele, apesar de a lei de recuperação judicial determinar a falência, o juiz pode interpretar que ainda existe viabilidade financeira para a companhia continuar operando. Ele defende que a Varig é uma empresa viável e que sofre de um problema de curto prazo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.