Preço da carne bovina deve seguir em alta, aponta IBGE

Isso se deve à manutenção da tendência de queda no abate e aos problemas internacionais de abastecimento

JACQUELINE FARID, Agencia Estado

27 de junho de 2008 | 10h25

A tendência de queda no abate de bovinos no País não será revertida no curto prazo, afirmou nesta sexta-feira, 27, o técnico do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Octávio Costa de Oliveira, responsável pela pesquisa de produção animal divulgada pelo instituto. Com a manutenção dessa tendência e dos problemas internacionais de abastecimento e de aumento da demanda, a perspectiva é que os preços da carne bovina também prossigam em alta.  Veja também:Entenda os principais índices de inflação  Inflação pelo IGP-M acumula alta de 13,44% em 12 meses Oliveira explicou que desde 2003 teve início um abate excessivo de fêmeas no País, em momento em que os criadores estavam desestimulados pelos baixos preços. O problema é que hoje, mesmo com os preços elevados, o abate de fêmeas prossegue em alta, o que diminui a capacidade de reprodução do rebanho e reduz a oferta de bovinos no mercado.Enquanto no período de 1997 a 2002, de todos os bovinos abatidos, 32% eram vacas, o porcentual das vacas chegou a 37% em 2003, saltou para 44% em 2006 e, no primeiro trimestre deste ano, estava em 45%. "Junto com o aumento do abate das fêmeas há maior demanda no mercado interno e externo, além de problemas na Argentina e na Austrália. Tudo isso influencia nos preços", explicou. Segundo ele, as reações na pecuária costumam ser mais lentas do que na agricultura em geral, já que o tempo médio para que o animal de um grande produtor esteja pronto para o abate é de 42 meses (ou 3,5 anos). "A curto prazo não deve haver mudança nessa situação. A estimativa do mercado é que não mude até 2011", disse o técnico do IBGE.

Tudo o que sabemos sobre:
carne bovinainflaçãoalimentos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.