Clayton de Souza/Estadão
Clayton de Souza/Estadão

Preço da carne deve subir em 2019 com aumento de exportações e recuperação do consumo

Rússia voltou a comprar carne bovina e suína e China deve demandar mais; 2018 foi marcado por falha logística e oscilação cambial

Nayara Figueiredo, O Estado de S.Paulo

27 de dezembro de 2018 | 17h27

Os preços da carne bovina devem ser mais altos no próximo ano, sustentados pela exportação aquecida e maior competitividade do produto em relação a outras proteínas. A perspectiva de recuperação do consumo doméstico, que vem enfraquecido desde 2016, também sinaliza para um ambiente mais promissor a toda a cadeia produtiva, depois de um 2018 marcado por problemas logísticos e oscilações cambiais.

A área de commodities da XP Investimentos avalia que, no mercado interno, o ajuste na oferta feito depois da greve dos caminhoneiros, no fim de maio, contribuirá para esse cenário. Na ocasião, faltou ração para as granjas, obrigando o produtor a elevar o abate de frango e suínos. A oferta dessas duas carnes aumentou e os preços caíram. Mas, depois de alguns meses, os plantéis diminuíram, a disponibilidade do produto se ajustou e os preços começaram a se recuperar, reduzindo a diferença em relação à carne bovina, que voltou a ser uma opção de compra para o consumidor.

Dados do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea) mostram que, em julho, o frango resfriado era negociado a R$ 3,81 por quilo no atacado paulista. Em dezembro, o valor saltou 19,7%, para R$ 4,56 por quilo. Já a carcaça suína especial era cotada em julho a R$ 5,01 no atacado, ante os atuais R$ 10,27/kg (+25%). 

Na mesma época, a cotação do boi casado no atacado de São Paulo era de R$ 9,30/kg, ou até três vezes mais que o frango e quase duas vezes que os suínos. Hoje, boi casado é vendido a R$ 10,27/kg no atacado, pouco mais que o dobro da carne de frango e o mesmo que a carne suína. O produto voltou a ser competitivo, destaca a XP.

Entre analistas e representantes do setor de proteína animal, há consenso de que a economia tende a melhorar com o governo que toma posse em 1º de janeiro. Na avaliação da XP, com o aquecimento do consumo a indústria terá melhor aproveitamento da produção, destinando cortes traseiros para o mercado doméstico e escoando cortes de dianteiro para o exterior.

No mercado internacional, o cenário também é de otimismo. A Rússia voltou a comprar carne bovina e suína do Brasil em novembro e a China, segundo maior destino da proteína produzida aqui, deve demandar mais. "Acredito que podemos faturar US$ 1,8 bilhão somente com a China em 2019. Até novembro, a receita foi de US$ 1,359 bilhão e deve chegar a US$ 1,5 bilhão no ano", afirmou o presidente da Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carne (Abiec), Antonio Jorge Camardelli. Em volume, a expectativa é encerrar 2018 com 328 mil toneladas embarcadas para os chineses e atingir 431 mil toneladas em 2019.

A expectativa do executivo da Abiec é de que, após a recente vistoria realizada por chineses a frigoríficos brasileiros, novas plantas sejam habilitadas no primeiro bimestre de 2019. Atualmente, 16 unidades de bovinos estão aptas a embarcar a proteína para o país asiático. O Brasil deve ainda buscar países em que não tem acesso e que tradicionalmente pagam valores mais altos pelo produto demandado, como Japão, Coreia do Sul, Canadá, México, Indonésia e Taiwan. 

O assessor técnico da Comissão Nacional de Bovinocultura de Corte da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), Ricardo Nissen, cita o Kuwait como um dos mercados que podem começar a comprar carne brasileira.

Para 2019, a expectativa é de que os embarques de carne bovina - que consideram o produto in natura, industrializado, além de cortes salgados e miúdos - aumentem 10,7%, para 1,8 milhão de toneladas, de acordo com levantamento da Abiec. Em receita cambial, a perspectiva indica avanço de 11%, para US$ 7,26 bilhões. Em 2018, a Abiec acredita que o setor baterá o total de 1,626 milhão de toneladas exportadas, aumento de 10% na variação anual, com receita de US$ 6,541 bilhões, 7,4% maior que a do ano passado.

Para Nissen, da CNA, a possibilidade de recuo do dólar em 2019 - como reflexo de eventuais medidas a serem tomadas pelo novo governo para estimular a economia - não favorece as exportações, mas o aumento do volume embarcado, por causa do acesso a novos mercados, pode compensar esse efeito cambial sobre a receita. "As aberturas e ampliações de embarques vêm para equilibrar o cenário de vendas externas", diz. Vale lembrar que a alta do dólar em relação ao real ao longo de 2018 beneficiou os frigoríficos exportadores mas, ao mesmo tempo, elevou o nível de endividamento das empresas a ponto de contribuir para prejuízos nos balanços trimestrais. Caso o câmbio recue, o efeito sobre as dívidas do setor será mais ameno.

Efeito inflacionário

O economista da LCA Consultores, Fábio Romão, concorda com a perspectiva de preços maiores para a carne bovina em 2019, mas diz que ainda não há preocupação de que esse aumento possa elevar muito o grupo Alimentação e Bebidas no varejo, calculado pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). Ele lembra que as altas mais significativas da proteína sobre o IPCA aconteceram nos anos de 2014 (22%) e 2015 (12,5%). Em 2017 houve uma deflação (-2,5%) e a projeção para este ano é de avanço de 2%. 

"Para 2019, projetamos uma aceleração de 5%, atrelada ao encarecimento dos custos com alimentação animal e o movimento de recuperação esperado para o consumo doméstico. No entanto, não há previsão de uma adversidade climática capaz de promover um aumento de preço tão expressivo para a carne, a exemplo do que houve em 2014 e 2015", explica. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.