Preço da cesta básica cai em 15 capitais do País, aponta Dieese

Na esteira da deflação dos preços agrícolas no atacado ao longo dos últimos dois meses e meio, a cesta básica teve seu valor reduzido em julho em 15 das 16 capitais em que o Dieese realiza mensalmente a Pesquisa Nacional da Cesta Básica. A única cidade em que se verificou aumento no conjunto de alimentos básicos no mês passado foi Natal. Alta foi de 0,36% e elevou o custo da cesta para R$ 140,25.Em São Paulo, o consumidor pagou 2,69% a menos pela cesta básica no mês passado. Ainda assim, a capital paulista se manteve como a cidade com a cesta básica mais cara do País. Para levar para casa a ração mínima essencial em julho, o trabalhador teve que desembolsar R$ 178,22, valor que representa 64,33% do salário mínimo líquido. Os menores valores foram apurados em Salvador (R$ 134,23) e Aracaju (R$ 139,92).Salário mínimo idealCom base no valor da cesta básica em São Paulo, o Dieese estima que o salário mínimo ideal seria de R$ 1.497,23. Este valor supera em 4,99 vezes o salário mínimo vigente, de R$ 300,00. Em junho, o piso salarial considerado ideal pelo Dieese era de R$ 1.538,56, ou 5,12 vezes o mínimo em vigor.A jornada de trabalho necessária para a compra da cesta básica, na média das 16 capitais, voltou a cair em julho, segundo os técnicos do Dieese. Por isso, na média das capitais objetos da Pesquisa, a jornada de trabalho equivalente ao valor da cesta básica foi de 116 horas e 49 minutos ou três horas a menos que a jornada de julho.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.