Preço da cesta básica cai; SP tem a mais cara

O preço da cesta básica diminuiu no mês passado ante janeiro em 13 das 16 capitais brasileiras pesquisadas pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), segundo levantamento divulgado nesta quarta-feira pela instituição. Em fevereiro, os aumentos no valor do conjunto de produtos alimentícios essenciais ocorreram somente em Natal (4%), Florianópolis (1,08%) e Recife (0,99%). Apesar da tendência de queda, a cidade de São Paulo tem o conjunto de produtos vendido ao preço mais caro: R$ 175,54.O resultado apresentado na capital paulista ficou um pouco acima do verificado em Brasília (R$ 174,14), local que liderou o ranking de janeiro e apresentou o segundo preço mais alto em fevereiro. Além das duas capitais, mais seis cidades apresentaram custo superior a R$ 150: Rio de Janeiro, com R$ 172,61; Porto Alegre, com R$ 166,20; Belo Horizonte, com R$ 162,75; Florianópolis, com R$ 160,93; Vitória, com R$ 159,41; e Curitiba, com R$ 159,21. A cidade de Recife apresentou a cesta básica com o menor valor do Brasil (R$ 127,28), seguida por Fortaleza (R$ 127,50). No mesmo período, Belém foi a cidade em que a cesta apresentou a retração mais expressiva (-8,33%), seguida por Belo Horizonte (-3,70%), Fortaleza (-3,53%) e Vitória (-3,48%). Na outra ponta, o Rio de Janeiro (-0,11%), foi a capital com a queda menos significativa, seguida por Salvador (-0,30%), Goiânia (-0,95%) e São Paulo (-1,08%).Primeiro bimestreNo primeiro bimestre de 2006, apenas Goiânia, onde o custo dos gêneros essenciais registrou alta de 0,49%, apresentou variação positiva para o preço da cesta básica. Nas demais cidades, as retrações situaram-se entre 1,73%, em Brasília e 13,12%, em Porto Alegre. Em São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte, foram constatadas baixas de 4,30%, 3,08% e 7,99%, respectivamente.Últimos 12 mesesNos últimos 12 meses encerrados em fevereiro, seis localidades registraram alta no custo da cesta: Belo Horizonte, com 7,80%; Brasília, com 2,38%; Fortaleza, com 2,07%; Rio de Janeiro, com 1,66%; Florianópolis, com 1,10%; e São Paulo, com 0,29%.ItensO Dieese destacou que, embora o custo tenha se reduzido, em fevereiro, grande parte dos itens que compõe a cesta básica apresentou aumento. No mês passado, mereceu atenção especial o comportamento do açúcar, com taxas que chegaram a 21,90%, em Salvador; 17,12%, no Rio de Janeiro; 15,74%, em Aracaju; e 13,99%, em São Paulo. Em Natal (2,19%) e Belo Horizonte (4,70%) foram apuradas as menores variações.O Dieese realizou a Pesquisa Nacional da Cesta Básica nas cidades de Aracaju, Belém, Belo Horizonte, Brasília, Curitiba, Florianópolis, Fortaleza, Goiânia, João Pessoa, Natal, Porto Alegre, Recife, Rio de Janeiro, Salvador, São Paulo e Vitória.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.