Preço da gasolina cai pela 1ª vez desde reajuste da Petrobras

Os postos de gasolina estão reduzindo o preço do combustível, em um movimento de ajuste de suas margens de lucro considerado normal após reajustes da Petrobras. Segundo levantamento da Agência Nacional do Petróleo (ANP), o preço médio da gasolina no País caiu 1,7% na última semana, a primeira queda nas bombas desde o aumento de 2,4% nas refinarias da estatal, promovido em 15 de outubro. Em São Paulo, onde o repasse havia sido maior do que a média nacional, a redução foi de 1,2%, abaixo da praticada no País. A acomodação dos preços era esperada por analistas e executivos do setor. Geralmente, as margens sobem bastante nos primeiros dias após os reajustes, mas depois começam a ser reduzidas, devido à concorrência entre os postos. De acordo com a ANP, a margem de revenda da gasolina foi de R$ 0,241 na semana passada, 19% inferior ao pico registrado na semana após o reajuste. A última pesquisa da Agência detectou um preço médio de R$ 2,156 por litro. No momento de maior alta, há duas semanas, o preço chegou a R$ 2,194 por litro. Em São Paulo, o preço médio é hoje de R$ 2,065 por litro - o pico após o reajuste foi de R$ 2,091. Os postos do Estado estiveram entre os que mais repassaram na primeira semana após o aumento, com uma alta de 3,5%, enquanto a média nacional ficou em 2,76%. A Petrobras estimava um repasse de 1,6% ao preço final do combustível. O Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo de São Paulo (Sincopetro) alegou, na ocasião, que as distribuidoras vinham realizando repasses acima do previsto. Atuação das distribuidoras O preço de venda da gasolina pelas distribuidoras continua em alta, segundo a pesquisa da ANP. Na última semana, as empresas venderam gasolina aos postos por R$ 1,915 por litro, na média nacional, valor 0,5% maior do que o registrado na semana anterior e 2,4% maior do que o vigente antes do reajuste da Petrobras. As distribuidoras alegam que continuam repassando a alta do preço do álcool anidro, que compõe a mistura de gasolina vendida nos postos. O álcool hidratado, porém, também registrou queda na última pesquisa de preços da ANP. O valor médio de venda do combustível estava em R$ 1,330 por litro na semana passada, uma queda de 4,1% com relação à semana anterior. Mais uma vez, a redução foi provocada pela compressão das margens dos postos, que caiu de R$ 0,264 para R$ 0,184 por litro. Mesmo motivo causou uma pequena queda, de 0,5%, no preço do óleo diesel, que passou de R$ 1,561 para R$ 1,552 por litro na última semana. O mercado, no entanto, espera novos reajustes da Petrobras ainda este ano. Segundo analistas, o preço da gasolina tem hoje uma defasagem de cerca de 15% com relação às cotações internacionais. Na semana passada, o diretor de Abastecimento da Petrobras, Paulo Roberto Costa, disse que a empresa finalizaria esta semana novos estudos sobre o preço dos combustíveis no País, considerando agora a queda do petróleo nas últimas semanas, para decidir se fará ou não novos ajustes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.