Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Preço da gasolina deve aumentar, mas não há data prevista

O presidente da Petrobras, José Eduardo Dutra, admitiu esta manhãque a gasolina "hoje está com seu preço defasado com relação ao mercadointernacional". Segundo ele, entretanto,a estatal ainda não tem qualquerdefinição no sentido de alterar os valores do combustível no país."Estamos acompanhando atentamente os preços no mercado internacional?, disse Dutra pouco antes da abertura do Quarto Congresso Latino Americano e do Caribe de Óleo e Gás, que acontece entre hoje e quarta-feira no Rio. Dutra disse ainda que o fato de no próximo dia 30 completar um ano que a Petrobras não reajusta o preço de sua gasolina "não significa nada". "Isso não indica que vá haver qualquer mudança agora", disse. InvestimentoSegundo o presidente da Petrobras, em tese, a estatal teria R$ 7 bilhões a mais este ano para investir em novos projetos se não precisasse cumprir com as metas de superávit a que o Brasil se comprometeu. Dutra considerou positiva a possibilidade de as estatais serem excluídas desta meta, como anunciou o ministro da Fazenda, Antonio Palocci Filho, ontem em Nova York. Mas disse não acreditar que a medida possa ser implantada ainda este ano. "Acho difícil", completou.2004-2010 O presidente da Petrobras disse que a diretoria da estatal vai apreciar hoje a versão final do Planejamento Estratégico da companhia, para o período de 2004-2010. Segundo ele, a expectativa é de que o plano seja apresentado ao Conselho Administrativo da estatal - do qual participam o ministro da Fazenda, Antonio Palocci, e a ministra de Minas e Energia, Dilma Rousseff - no próximo dia 6 de maio. A previsão é de que o planejamento seja aprovado até o dia 14 de maio. Elenão quis comentar possíveis alterações nos valores de investimentos queestariam constando no novo plano. PlataformaDutra afirmou que "vê problemas" no decreto do governo do estado do Rio de Janeiro que isenta a plataforma P-51 de impostos no Estado para que ela seja feita no Brasil. Ele não informou quais seriam estes pontos "conflitantes", masafirmou que existem vários que dão margens a interpretações dúbias. Dutraatribuiu ainda a estes detalhes o atraso na assinatura do contrato para aconstrução da plataforma. Ele descartou, entretanto, a possibilidade de aobra não ficar mais no Brasil. "Isso já está certo. Só faltam os detalhes",disse ele.

Agencia Estado,

26 de abril de 2004 | 10h05

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.