Tiago Queiroz
Tiago Queiroz

Preço da gasolina nos postos teve aumento médio de 5,11%

Levantamento da ANP mostra que foi repassado quase que integralmente o reajuste de 6% da Petrobrás nas refinarias

Idiana Tomazelli , O Estado de S. Paulo

09 de outubro de 2015 | 13h48

Pouco mais de uma semana após o reajuste nos preços da gasolina anunciado pela Petrobrás, os consumidores brasileiros assistiram a um aumento médio de 5,11% nas bombas, segundo levantamento de preços realizado semanalmente pela Agência Nacional de Petróleo, Gás e Biocombustíveis (ANP). O resultado mostra que foram repassados quase que integralmente os 6% elevados pela estatal nas refinarias.

Em entrevista coletiva nesta semana, a coordenadora de Índices de Preços do IBGE, Eulina Nunes dos Santos, afirmou que cada 1% de aumento da gasolina na bomba impacta em 0,04 ponto porcentual o IPCA, índice oficial de inflação. Por essa lógica, e caso a elevação se mantenha neste patamar até o fim do mês, o IPCA de outubro já teria um impacto de 0,20 ponto contratado.

A pesquisa da ANP mostra que o preço médio do litro da gasolina nas bombas saiu de R$ 3,287 na semana de 27 de setembro a 03 de outubro para R$ 3,455 na semana de 04 a 10 de outubro (referência). Foram consultados 3.277 postos em todo o País. O menor avanço ocorreu na região Sudeste (4,70%, ou R$ 0,15), enquanto o mais intenso foi verificado no Norte (5,66%, ou R$ 0,20).

O reajuste anunciado pela Petrobrás entrou em vigor no dia 30 de setembro, uma quarta-feira, mas consultores do setor afirmaram que o repasse seria percebido com mais força pelo consumidor à medida que os estoques fossem renovados.

No caso do diesel, o repasse também foi quase integral. O reajuste de 4% praticado pela Petrobrás nas refinarias se traduziu em um aumento de 3,80% nas bombas, segundo o levantamento da ANP. O preço médio do litro do diesel nas bombas saiu de R$ 2,812 na semana de 27 de setembro a 03 de outubro para R$ 2,919 na semana de 04 a 10 de outubro (referência). Foram consultados 1.989 postos em todo o País.

O peso do diesel no IPCA é pequeno, de apenas 0,15%. Por isso, o impacto é muito próximo de zero. Eulina explicou na última quarta-feira (7), porém, que o reflexo indireto é grande, principalmente porque o combustível é o mais usado para fretes.

O reajuste dos combustíveis não será o único impacto sobre a inflação de outubro. Os preços do etanol avançaram 8,98% no período investigado pela ANP. O preço médio do litro do etanol nas bombas saiu de R$ 2,116 na semana de 27 de setembro a 03 de outubro para R$ 2,306 na semana de 04 a 10 de outubro (referência). Foram consultados 3.008 postos em todo o País. O item pesa sozinho 0,8% do índice. Segundo, porque a gasolina comercializada pelos postos de combustíveis contém 25% de etanol em sua composição.

"A demanda por etanol tem aumentado por conta do preço da gasolina. Além disso, os produtores têm tido problema na colheita (de cana-de-açúcar). Então, o preço do etanol aumentou. Provavelmente, além do reajuste de gasolina, os pontos de distribuição devem levar em contra esse aumento", alertou Eulina, na coletiva.

Mais conteúdo sobre:
gasolinaanppetrobrás

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.