Preço da gasolina sobe 3% nas refinarias a partir desta sexta-feira

Preço da gasolina sobe 3% nas refinarias a partir desta sexta-feira

Óleo diesel tem alta de 5%, segundo a Petrobrás; expectativa é de que o impacto para o consumidor fique entre 2% e 4% nos preços praticados pelos postos de todo o País

, O Estado de S. Paulo

06 de novembro de 2014 | 19h24


A Petrobrás anunciou reajuste de preços dos combustíveis, com aumento de 3% para a gasolina e de 5% para o óleo diesel nas refinarias a partir desta sexta-feira. A expectativa é de que o impacto para o consumidor fique entre 2% e 4% nos preços praticados pelos postos de gasolina de todo o País.

No mercado financeiro, o aumento foi visto como um gesto político, calculado para evitar um impacto maior na inflação ao mesmo tempo em que acena aos investidores para atitudes benéficas à saúde financeira da estatal, que deve encerrar o ano com forte aperto financeiro. 

As projeções de economistas indicam um impacto entre 0,11 e 0,17 ponto porcentual sobre a inflação, dificultando o objetivo de manter a taxa dentro da meta estabelecida pelo Banco Central, de 6,5%. A expectativa é que a taxa termine o ano ligeiramente acima desse patamar, em 6,54%, segundo a média das projeções feitas pelo Broadcast, serviço de informações em tempo real da Agência Estado, após o anúncio do reajuste. 

No acumulado em 12 meses, até setembro, a inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) está em 6,75%. O resultado de outubro será divulgado nesta sexta-feira. 

Nas bombas, o presidente do Sincopetro do Estado de São Paulo (sindicato dos postos), José Alberto Gouveia, afirma que o reajuste deve ficar um pouco abaixo dos 3% aplicado nas refinarias. 

O reajuste foi anunciado após uma semana de pressão sobre a Petrobrás, acuada entre denúncias de corrupção, divergências internas em seu conselho de administração e atrasos na apresentação de resultados trimestrais. Tudo isso em um cenário de queda livre no preço do petróleo no mercado internacional, movimento que influencia as margens de lucro e os planos de investimento da companhia. 

Perda. As turbulências foram determinantes para a definição do reajuste dos combustíveis. Ao longo de 2014, o caixa da Petrobrás esteve pressionado por uma defasagem de cerca de 20% entre os preços de importação dos mercados internacionais e a revenda no mercado interno, com preços represados para conter a alta da inflação. 

Nos últimos três anos, as perdas de receita por conta da defasagem chegam a R$ 80 bilhões, segundo Auro Rosembaun, analista de petróleo do Bradesco. 

Em reunião extraordinária do conselho de administração na terça-feira, a presidente da estatal, Graça Foster, preparou extensa apresentação sobre a necessidade de reajuste para melhorar o lucro. Naquele dia, a companhia recebeu aval do governo para o reajuste, mas a data e o porcentual do aumento não haviam sido anunciados.

(Reportagem de Antonio Pita, Daniela Amorim, Fernanda Nunes e Mariana Sallowicz)

Tudo o que sabemos sobre:
Petrobrásgasolinadieselcombustível

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.