Preço de serviços bancários tem variação de até 160%

Diferença maior é entre cobrança de serviços de renovação do cadastro da conta corrente especial

Amanda Valeri, da Agência Estado, Agencia Estado

10 de março de 2008 | 14h14

A diferença de valores cobrados por bancos em serviços permanece alta e, em alguns casos, chega a 160%. De acordo com pesquisa divulgada nesta segunda-feira, pela Fundação Procon-SP, o serviço de renovação de cadastro é responsável pela maior variação (de 160%). O estudo apurou as tarifas bancárias (avulsas e "pacotes/cestas") de um rol de produtos/serviços básicos oferecidos pelo Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica Federal, HSBC, Itaú, Nossa Caixa, Real, Safra, Santander e Unibanco.  De acordo com a entidade, enquanto o Bradesco e a Caixa Econômica Federal cobram de seus clientes um valor de R$ 15,00 no serviços de renovação do cadastro da conta corrente especial em janeiro de 2008, o Safra tem o serviço por R$ 39,00, o que representa uma diferença de 160%. Já na comparação anual, a diferença foi bem mais discreta. Em janeiro de 2007, o valor médio desta tarifa era de R$ 19,00, e no primeiro mês deste ano, ela era de R$ 19,98, o que aponta uma variação positiva de 5,16%. A pesquisa da instituição, com base em 1º de janeiro deste ano, se concentra nos itens mais demandados pelos consumidores. Entre os produtos avaliados estão: renovação do cadastro da conta corrente especial - pessoa física; manutenção de conta corrente especial ativa; renovação do cheque especial; remessa domiciliar do talão de cheques; manutenção do cartão magnético (função débito) conta corrente especial; extrato semanal no terminal eletrônico e saque no terminal eletrônico da rede/auto-atendimento. Dentre estes sete itens pesquisados, dois - extrato semanal no terminal e saque no caixa eletrônico - não puderam ser avaliados, segundo o Procon-SP, "devido à diversidade na apresentação do serviço". Para a pesquisa, o órgão de defesa do consumidor traçou um perfil de cliente hipotético (pessoa física), que fosse titular de uma conta corrente com limite de crédito e que utiliza regularmente os principais serviços, necessários para movimentação e controle de sua conta. Diferença por serviços O serviço de manutenção do cartão magnético (função débito) registrou a segunda maior diferença na cobrança de tarifas - 139,52%. O banco Safra cobrou de seus clientes em janeiro de 2008 uma tarifa de R$ 1,67, enquanto a Nossa Caixa, o Real e o Unibanco cobram R$ 4,00. Foi observado um cenário contrário quando as tarifas foram comparadas anualmente: em janeiro de 2007 a taxa média era de R$ 3,81, e no mesmo mês de 2008, era de R$ 3,60, uma variação negativa de 5,51%. Para envio de talão de cheques via correio, o Banco Safra tem a menor tarifa - R$ 3,60 -, e os bancos Itaú e a CEF apresentaram o maior valor (R$ 6,00). A diferença neste caso é de 66,67%. Na comparação entre o primeiro mês de 2007 (5,31%) e janeiro deste ano (5,45%), a variação da tarifa média cobrada por este serviço é bem mais singela, de 2,64%. A renovação do cheque especial (trimestral) e a manutenção da conta especial ativa (mensal) apresentaram as menores variações positivas em janeiro, 19,05% e 12,50%, respectivamente. No primeiro serviço, o Banco do Brasil, o Itaú e o Real apresentaram a mesma e a menor tarifa, de R$ 21,00, enquanto a CEF teve a maior, de R$ 25,00. Em relação a taxa média cobrada em janeiro de 2007 (R$ 21,19), ante a observada em janeiro deste ano (R$ 21,94), a diferença chegou a 3,54%. Na manutenção da conta corrente especial, a tarifa de R$ 8,00 foi cobrada pelo Banco do Brasil e pela CEF, enquanto a de R$ 9,00 foi cobrada pelo Real, Safra e Unibanco - variação de 12,50%. Já em janeiro de 2007, a tarifa média era de R$ 8,13, contra R$ 8,68 praticada no mesmo mês deste ano, alcançando uma diferença de 6,77%. Quando apurados os valores dos pacotes ou cestas de serviços oferecidos pelos bancos, constatou-se que, em média, em janeiro de 2008, o cliente "hipotético" pagou por mês R$ 23,61. O valor apresenta um acréscimo de 10,64% comparado ao mesmo período de 2007, quando o valor, em média, era de R$ 21,34. Já anualmente, num comparativo entre pacotes/cestas e tarifas avulsas, o Procon-SP detectou que compensa mais o consumidor optar pelo pacote do que pagar individualmente por cada serviço ou produto. Enquanto em um pacote, o consumidor pagaria, em média, por ano R$ 283,36, este valor subiria para R$ 386,98 pelas tarifas avulsas. Assim, o "hipotético" cliente economizaria R$ 103,62 se optasse pelo pacote.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.