Preço de unidades da Cohab dispara e valorização é recorde

A especulação imobiliária na periferia de São Paulo não poupou sequer as unidades habitacionais da Companhia Metropolitana de Habitação (Cohab), da Prefeitura paulistana. Alguns desses imóveis - usados - estão sendo vendidos a preços que esbarram no valor máximo estabelecido pelo programa Minha Casa, Minha Vida, para unidades novas: R$ 130 mil.

, O Estado de S.Paulo

31 de outubro de 2010 | 00h00

São imóveis de dois dormitórios, com menos de 60 metros quadrados, em alguns casos sem nenhuma opção de lazer nem garagem. "Os preços ficaram impraticáveis", diz Gerisvaldo Ferreira da Silva, corretor de imóveis no bairro de São Miguel Paulista. Na região em que ele atua, segundo a Empresa Brasileira de Estudos de Patrimônio, o preço dos imóveis passou de R$ 87 mil para R$ 112 mil em três anos.

A dona de casa Sandra e o marido, que é motorista particular, saíram ganhando com a valorização. Eles compraram um apartamento da Cohab há cinco anos por R$ 35 mil. "Na época, vendemos um apartamento, um Monza 88 e parcelamos o resto em 34 vezes de R$ 500", lembra. O imóvel foi vendido no mês passado por R$ 110 mil. Com o dinheiro, deu para comprar um apartamento menor, mas com garagem e opções de lazer para os dois filhos.

A Prefeitura de São Paulo informou que os imóveis da Cohab só podem ser vendidos depois de quitados.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.