Preço do aço não vai cair muito, prevê vice do Ciesp

O vice-presidente do Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Ciesp), Nildo Masini, acredita que a decisão do governo ao suspender as alíquotas de produtos siderúrgicos não deva alterar muito os preços do aço no mercado interno. "A redução da alíquota para zero pode melhorar, mas não muito, porque os preços nacionais estão mais ou menos alinhados com os preços internacionais", opinou o líder empresarial, em entrevista ao Conta Corrente, da Globo News. Por outro lado, ele ressalvou que o aumento do lucro das siderúrgicas já colocava em risco toda a cadeia produtiva que depende do insumo. "Talvez acalmará as siderúrgicas nacionais nas tentativas de novos aumentos de preços."Dólar baixo preocupaMasini alerta que as exportações não devem se sustentar com o dólar baixo por muito mais tempo, pois os empresários alegam prejuízo. "Com o dólar a R$ 2,60, eles não têm condições de exportar porque têm prejuízo", disse, referindo-se às conversas que manteve com empresas exportadoras. Ele explicou que as exportações continuam aceleradas porque os empresários estariam preferindo continuar vendendo, mesmo com prejuízo, para manter os seus clientes no exterior. No entanto, ele alerta que os exportadores não teriam como manter essa situação além de 60 ou 90 dias com o dólar no atual patamar. "Nós corremos o risco de ter uma redução substancial das exportações a partir do segundo semestre."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.