finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Preço do açúcar cai com oferta da Tailândia e da Índia

Cenário: Filipe Domingues

O Estado de S.Paulo

19 de abril de 2012 | 03h06

A expectativa de ampla produção de açúcar na Tailândia e na Índia pressionou ontem as cotações da commodity na Bolsa de Nova York. Os contratos do produto para entrega em maio fecharam em baixa de 2,95%, cotados a 22,34 centavos de dólar por libra-peso. Segundo analistas, a percepção de que a oferta global será confortável fica mais clara justamente no momento em que o Brasil colhe sua safra. O País é o maior produtor mundial de açúcar e, de acordo com a União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica), deve produzir um volume 3,2% maior na temporada 2012/13 do que no ciclo anterior. "Obviamente, há mais açúcar disponível do que se imaginava", afirmou à Dow Jones o analista Michael McDougall, da corretora Newedge.

Na mesma bolsa, os preços do algodão caminharam no sentido oposto. A alta foi puxada por investidores que recompraram contratos vendidos anteriormente, deixando de apostar na queda dos preços. Os lotes para entrega em maio subiram 2,80% e fecharam a 91,93 cents/lb. Entretanto, espera-se uma retração dos preços hoje ou nos próximos dias, pois a Índia, segundo maior produtor da commodity, afirmou ontem que vai autorizar o embarque de 1,9 milhão de fardos de 170 quilos. A notícia foi surpreendente porque em março o governo indiano suspendeu as exportações, para evitar uma restrição na oferta doméstica.

Os grãos negociados na Bolsa de Chicago tiveram um dia de perdas. O milho caiu mais forte, 2,43%, com antecipação da colheita nos Estados Unidos, favorecida pelo clima.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.