Preço do álcool fecha semana a R$ 1,596 por litro

O preço do álcool hidratado interrompeu a trajetória de alta, que vinha se sustentando desde o final do ano passado, e fechou a última semana em queda de 0,3%, em média, no País. Já no mercado de São Paulo, o preço do combustível voltou a subir, depois de uma semana de trégua. Segundo a Agência Nacional do Petróleo (ANP), o litro do combustível era vendido pelos postos paulistas a R$ 1,379 na semana passada. Na média nacional, o preço ficou em R$ 1,596 por litro.A pesquisa da ANP detectou ainda pequena retração no preço da gasolina vendida no Brasil. O produto fechou a semana a R$ 2,516 por litro, valor 0,4% menor do que o verificado na semana anterior, em um movimento que pode refletir a redução do preço do álcool anidro nas usinas de São Paulo. Em São Paulo, a redução ficou no mesmo nível, com o preço médio do produto fechando a semana a R$ 2,405 por litro.Cana-de-açúcarA pequena redução no preço do álcool pode representar o fim do ciclo de alta que vinha se sustentando desde o início da entressafra na cultura de cana-de-açúcar. Desde o início do ano, o preço do produto acumula alta de 5,9%, em média, nos postos brasileiros. Quando o ciclo de alta começou, temia-se que essa entressafra fosse crítica como a do ano passado, quando houve risco de desabastecimento do combustível. Nas últimas semanas, porém, especialistas e executivos do setor vêm dando declarações tranqüilizadoras, garantindo que não há estimativas de falta de álcool antes do início da safra.Para os proprietários de carros bicombustíveis, só é vantagem encher o tanque com álcool em 15 Estados brasileiros - Alagoas, Bahia, Ceará, Espírito Santo, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Rio Grande do Norte, Santa Catarina, São Paulo e Tocantins. Nos demais, o litro do álcool já vale mais do que 70% do preço da gasolina. A partir daí, segundo especialistas, é melhor abastecer com o derivado do petróleo, já que este tem rendimento melhor. em São Paulo, a razão entre os preços dos dois produtos é de 57%, com grande vantagem para o álcool.BiodieselA Shell informou que começou a distribuir biodiesel no Pará, expandindo as vendas do combustível para mais 40 postos de sua rede, além de 27 grandes consumidores - empresas que compram combustíveis diretamente da distribuidora. Atualmente, a companhia já vende o B2, como é chamado o diesel a mistura de 2% de biodiesel ao diesel derivado do petróleo - em 135 postos distribuídos por cinco Estados - Pernambuco, Bahia, Maranhão, Tocantins e Pará - e para 111 clientes comerciais.A companhia começou a trabalhar com biodiesel em setembro do ano passado e vai investir R$ 10 milhões até o fim do ano para adequar suas bases de distribuição e tancagem à adição obrigatória do combustível em todo o País, que começa a vigorar no início de 2008.A proximidade com a data movimenta também a ANP, que já começou a distribuir equipamentos para detectar fraudes no combustível. Na segunda-feira, a agência entregará um cromatógrafo à Unifacs, unidade responsável pelo Programa de Qualidade do Combustível no Estado. O equipamento identifica a origem do biodiesel - cada produtor usa um marcador químico específico - e avalia se o produto está sendo vendido na proporção correta. A ANP prevê a entrega de sete equipamentos iguais a laboratórios de seis Estados.A agência começou a demonstrar preocupação com o problema em meados do ano passado e chegou a fechar produtores clandestinos de biodiesel em uma ação de fiscalização na região Centro Oeste.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.