Preço do álcool não pode ser atrelado ao petróleo, alerta ministro

O ministro da Agricultura, Roberto Rodrigues, alertou nesta sexta-feira o setor sucroalcooleiro para que não tente atrelar os preços do álcool aos dos derivados do petróleo. Ele disse que o preço do petróleo no mercado internacional é uma variável que implicará no reajuste dos preços da gasolina, óleo diesel e outros derivados. Rodrigues salientou que essa variável no preço do petróleo não pode ser considerada pelos produtores de álcool no eventual reajuste de preço. "Esperamos que os produtores brasileiros tenham clareza dessa preocupação nossa porque o álcool é um produto estratégico e não pode ser usado ao sabor do mercado que é absolutamente liberado", disse o ministro.Rodrigues classificou o mercado de etanol como "uma coisa sem alma", pois quando há uma demanda crescente pelo combustível e uma produção constante há o aumento de preço. "Estamos olhando cuidadosamente essa questão dentro do governo e preocupados com um aumento de preços que transcenda o aumento do próprio petróleo", disse.Segundo dados do Cepea, nesta última semana o preço do álcool anidro subiu nas usinas 4,6% e o do hidratado, 5,6%. Rodrigues esteve há pouco na inauguração da sede do CIEE em Ribeirão Preto, cidade na qual o preço do álcool hidratado em vários postos subiu hoje em média 15%.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.