Preço do barril dependerá de vários de fatores, diz Gabrielli

Presidente da Petrobrás diz que valor do petróleo para a capitalização levará em conta os investimento feitos

Wellington Bahnemann, da Agência Estado,

30 de setembro de 2009 | 12h40

O presidente da Petrobrás, José Sérgio Gabrielli, afirmou que a definição do preço do barril para a capitalização da companhia depende de uma série de variáveis que ainda não estão definidas no momento. "Para se definir o valor, é necessário determinar as áreas de produção, o valor dos investimentos e o custo de produção do barril. A partir daí, se chegará ao valor justo do preço do barril", disse hoje o executivo, durante o seminário "O Futuro do pré-sal II", promovido pelo Grupo Estado.

 

Veja também:

linkTasso critica uso de verba pública na capitalização da Petrobrás

linkModelo de operador único pode engessar Petrobrás, diz IBP

linkIBP mantém otimismo sobre mudança no modelo de operação

 

Gabrielli destacou que nos próximos meses serão realizadas perfurações para a escolha dos campos que serão considerados na operação de capitalização. O executivo, no entanto, diz que não há um cronograma estabelecido para que esses trabalhos sejam concluídos.

 

Segundo a proposta do Governo Federal, a União poderá transferir em regime de cessão onerosa até 5 bilhões de barris de óleo do pré-sal à Petrobrás. A dúvida no mercado é de quais campos virão essas reservas e qual será o custo do barril. Gabrielli comentou que não se trata de uma operação "exótica", citando como exemplo a possível aquisição pela China de reservas na Nigéria no montante de 6 bilhões de barris de óleo. "É consenso que a Petrobrás precisa ser fortalecida e a companhia pagará um valor justo, que será certificado", afirmou. O valor do barril será usado para lastrear a operação de aumento de capital da companhia.

 

Gabrielli afirmou também que o preço do barril, a ser calculado para a capitalização, considera ainda o pagamento das participações especiais - imposto que é cobrado sobre os campos de alta produtividade. "Isso poderia ser pago antes ou depois, mas a proposta do projeto de lei é de que isso seja pago de imediato à União", explicou.

 

De acordo com ele, além de fortalecer a Petrobrás, a capitalização contribuirá para reduzir o nível de alavancagem da empresa, o que ampliará a capacidade de endividamento da empresa para fazer frente aos futuros projetos de exploração do pré-sal.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.