Preço do barril do petróleo sobe e continua acima dos US$ 65

O preço do Petróleo Intermediário do Texas (WTI, leve) subiu levemente nesta segunda-feira em Nova York, e continua acima dos US$ 65 por barril, enquanto continua a preocupação com o volume limitado de oferta diante do alto nível de demanda. No final da sessão regular, o petróleo WTI para entrega em setembro ficou a US$ 65,45 por barril (159 litros), após subir US$ 0,10 em comparação ao valor anterior.Os contratos para setembro, que terminaram hoje, chegaram a US$ 66,30 durante o pregão, e aqueles que têm seu vencimento previsto para outubro, que serão referência a partir de amanhã, subiram para US$ 66,60. No entanto, a pressão em alta diminuía um pouco à medida que o pregão transcorria, e estes contratos fecharam a US$ 65,79 dólares por barril.A gasolina para setembro fechou a US$ 1,8616 por galão (3,78 litros), cerca de quatro centavos a menos que na sexta-feira. O gasóleo de calefação fechou a US$ 1,8116 por galão, ao redor de um centavo a menos que no pregão anterior. A Bolsa Mercantil de Nova York continua atenta a qualquer eventualidade que afete o fluxo regular de abastecimento para o mercado americano, que poderia tornar ainda mais tensa a relação entre oferta e procura.PreocupaçõesA crise no Equador - que na semana passada paralisou a produção e as exportações do país - foi um dos fatores mais recentes que aumentou o nervosismo dos operadores e influenciou na alta de mais de US$ 2 do preço do petróleo em Nova York, na sexta-feira passada. A produção da empresa estatal Petroecuador aumentou hoje para 70.000 barris de petróleo, depois que uma greve paralisou a atividade nas províncias petrolíferas de Orellana e Sucumbíos, na quinta-feira passada.O ministro da Energia, Iván Rodríguez, afirmou hoje que era difícil precisar quando será possível alcançar o mesmo nível de produção de 13 de agosto, de 201.000 barris diários. Em relação ao setor privado, as previsões apontam que levará pelo menos um mês para recuperar um nível regular de extração, de cerca de 300.000 barris diários.A situação no setor petrolífero equatoriano preocupa os EUA, pois este país latino-americano está entre os dez principais exportadores de petróleo e combustíveis para este mercado. Os operadores também estavam com as atenções voltadas para o Iraque, onde havia sido registrada uma interrupção temporária das atividades de exportação de petróleo, por causa de cortes no fornecimento de eletricidade, mas notícias posteriores indicavam que foram restabelecidos os envios a partir do sul.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.