Preço do botijão de gás industrial deve subir pelo menos 5,3%

O preço do botijão de gás agranel utilizado pela indústria e pelo comércio vai subir aomenos 5,3 por cento na terça-feira, informou a Petrobras, mas oreajuste pode chegar a 6 por cento de acordo com o Sindigás(Sindicato Nacional das Empresas Distribuidoras de GásLiquefeito de Petróleo). "A Petrobras não nos notificou, mas as nossasdistribuidoras informaram em algo de aproximadamente 6 porcento. Fui surpreendido", afirmou o presidente do Sindigás,Sergio Bandeira de Mello. A estatal confirmou o percentual de 5,3 por cento para oreajuste do produto. Segundo o sindicato, esse é o terceiro aumento no ano. Ogás já teria subido 15 por cento em janeiro e mais 10 por centoem abril. "O que mais preocupa a gente é que esses aumentos sãodifíceis de serem repassados", afirmou Mello. Novamente, como tem acontecido, o botijão de 13 quilos,utilizado em residências não ligadas por redes de gás, nãosofrerá aumento. Cálculos da entidade apontam que a diferença entre o gás agranel consumido pela indústria e comércio e o gás de botijãode 13 quilos de uso residencial já supera 50 por cento. "A diferença vai dar margem a insegurança e a fraudes. Quemé usuário do granel e usa botijão de 45 quilos vai migrar parainstalações ilegais de 13 quilos por conta do preço", disseMello. O gás de botijão ainda não foi reajustado no governo Lula eo último reajuste aconteceu em dezembro de 2002 ainda nogoverno FHC. Especialistas no setor de energia criticam a estratégia. "O GLP (gás liquefeito de petróleo) é muito subsidiado eacaba por prejudicar as empresas privadas que atuam no setor",disse Adriano Pires, consultor para o mercado de petróleo ederivados. (Reportagem de Rodrigo Viga Gaier)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.