Nilton Fukuda/Estadão
Nilton Fukuda/Estadão

Preço do etanol sobe em 19 Estados e valor médio registra alta de 0,49% no Brasil

Somente no Mato Grosso o etanol é mais vantajoso ante a gasolina

Gustavo Porto, O Estado de S.Paulo

02 Abril 2018 | 19h54

RIBEIRÃO PRETO - Os preços do etanol hidratado nos postos brasileiros subiram em 19 estados na semana passada, segundo levantamento da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) compilado pelo AE-Taxas. Em apenas seis estados e no Distrito Federal houve recuo e no Amapá os preços permaneceram estáveis.

Em São Paulo, principal estado produtor e consumidor, a cotação média do hidratado apresentou leve baixa de 0,03% ante a semana anterior, de R$ 2,873 para R$ 2,872 o litro. No período de um mês, os preços do combustível recuaram 0,49% nos postos paulistas. A maior alta no preço do biocombustível na semana passada, de 7,41%, foi em Mato Grosso. A maior baixa semanal, de 0,95%, ocorreu no Maranhão. Na média dos postos brasileiros pesquisados pela ANP houve reajuste de 0,49% no preço do etanol na semana passada.

Além de São Paulo, no período de um mês os preços do etanol recuaram apenas no Espírito Santo e no Rio de Janeiro. O destaque de alta mensal foi Mato Grosso, com 9,16% no período. Na média brasileira o preço do etanol pesquisado pela ANP acumulou alta de 0,69% na comparação mensal.

++ Tarifas de Trump provocam uma reação global em cadeia

Mesmo com a disparada da semana passada, o preço mínimo registrado no período para o etanol em um posto foi em Mato Grosso, de R$ 2,377 o litro, e o máximo individual foi de R$ 4,739 o litro, no Rio Grande do Sul. O menor preço médio estadual foi de R$ 2,813 o litro, também em Mato Grosso, e o maior preço médio também ocorreu no Rio Grande do Sul, de R$ 4,012 o litro. 

Comparação. Os preços médios do etanol hidratado são vantajosos sobre os da gasolina somente em postos do Estado de Mato Grosso. Com a alta de 2,65% na semana passada, o etanol perdeu a competitividade econômica em Goiás, segundo dados da Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), compilados pelo AE-Taxas. O levantamento considera que o combustível de cana, com menor poder calorífico, tenha um preço limite de 70% do derivado de petróleo nos postos para ser considerado vantajoso.

++ Superávit comercial de março chega a US$ 6,281 bi, o segundo melhor resultado para o mês

Em Mato Grosso, o biocombustível é vendido, em média, por 66,53% do preço da gasolina. Em Goiás a paridade passou de 68,53% para 70,18%. São Paulo, onde o etanol vale, em média, 71,94% do preço da gasolina, é o estado onde o limite de paridade desfavorável entre o etanol e o combustível de petróleo está mais próximo dos 70%.

A gasolina é mais vantajosa no Amapá. Naquele estado, o preço do etanol atinge 96% do cobrado em média pela gasolina.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.