Preço do gás de cozinha cairá com nova regra, afirma Fergás

As novas regras para o setor de gás tendem a provocar uma redução no preço do botijão, avalia o presidente da Federação Nacional dos Revendedores de Gás (Fergás), Álvaro Chagas. A nova regulamentação foi posta nesta quarta-feira em consulta pública pela Agência Nacional do Petróleo (ANP) até 5 de setembro e elimina a exclusividade nas relações entre revenda e distribuição. ?A princípio, o novo modelo gera concorrência leal e efetiva. Assim, deve haver consequências na questão do preço e da qualidade?, disse Chagas. O sindicato das distribuidoras só vai se manifestar sobre as mudanças na próxima segunda.São duas portarias regulamentando as atividades de distribuição e revenda ? esta última nunca teve uma regulamentação formulada pela ANP. ?Dar liberdade de escolha ao revendedor certamente terá efeito no preço?, diz o consultor Adriano Pires, do Centro Brasileiro de Infra-Estrutura (CBIE). Ele criticou, porém, a criação de um novo agente para certificar a abertura de novos revendedores. ?Sempre que se cria um novo agente, a tendência é que os custos aumentem?, afirmou.A ANP vai promover um recadastramento de todos os revendedores de gás de cozinha. ?Nunca houve isso, sequer sabemos quantos somos?, diz Chagas. A nova portaria estipula que os pontos de venda de gás não poderão trabalhar com nenhum outro produto. Adriano Pires acha que a agência foi conservadora na portaria sobre a distribuição, ao manter a proibição de que empresas encham botijões de outras marcas. ?Essa é a grande barreira à entrada de novas empresas?, afirma. Cada distribuidora só pode engarrafar botijões com suas próprias marcas, que são levados para centros de destroca quando uma delas recolhe botijões de outra na casa do consumidor.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.