Estadão
Estadão

Preço do gás de cozinha sobe 4,4% na refinaria

Novo preço, sem tributos, será de R$ 23,10 na refinaria; no acumulado do ano, o GLP 13 kg acumula queda de 5,2% e relação a dezembro de 2017

Denise Luna, O Estado de S.Paulo

04 Julho 2018 | 15h54

RIO – A Petrobrás anunciou nesta quarta-feira que aumentou em média de 4,4% o chamado gás de cozinha, referente a um botijão de 13 quilos de Gás Liquefeito de Petróleo (GLP). O novo preço, sem tributos, será de R$ 23,10 na refinaria. No acumulado do ano, o GLP 13 Kg acumula queda de 5,2% e relação a dezembro de 2017, informou a estatal. Os novos preços entram em vigor nesta quinta-feira, 5.

+ Maia vê ‘folga’ no teto de gastos para subsidiar o gás de cozinha

Pelo levantamento de preços da Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), o preço médio do botijão de 13 kg  ao consumidor no Brasil é vendido a R$ 68,28, sendo o maior preço de R$ 115,00 e o menor de R$ 50,00.   

O gás de cozinha começou a ter reajuste trimestral em janeiro deste ano, para suavizar os repasses da volatilidade dos preços ocorridos no mercado internacional para o preço doméstico”, disse a Petrobras na época.

Em nota no seu site, a empresa apontou como motivos o ajuste a alta da cotação internacional do GLP, que subiu 22,9% entre março e junho, período em que a desvalorização do real frente ao dólar foi de 16%.

+ Subsídio de combustíveis custaria R$ 30 bi ao Tesouro até o fim do ano

Segundo a Petrobrás, o impacto ao consumidor brasileiro seria maior do que o concedido, mas foi diluído pela combinação entre o período de nove meses usado como base para o cálculo do preço, conforme definido na metodologia anunciada em janeiro, e do mecanismo de compensação que permitirá que eventuais diferenças entre os preços praticados ao longo do ano e o preço internacional sejam ajustadas ao longo do ano seguinte, conciliando a redução da volatilidade dos preços com os resultados da Petrobras.

Mais conteúdo sobre:
gás de cozinhaPetrobrás

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.