Preço do gás natural deve subir, diz presidente da Petrobras

Gabrielli não soube estimar um valor ou um prazo para o preço do gás natural subir

BBC Brasil,

31 de outubro de 2007 | 18h15

O presidente da Petrobras, José Sergio Gabrielli, disse nesta quarta-feira que o preço do gás natural deve subir para os consumidores finais no Brasil. Durante visita a Londres, onde participa de uma conferência, o presidente falou a jornalistas sobre a decisão de reduzir o fornecimento de gás natural a distribuidoras no Rio de Janeiro e São Paulo. Quando perguntado se o preço do gás natural para os consumidores deve subir no médio e longo prazo no Brasil por falta de oferta, Gabrielli respondeu: "Sim, eu acho que você está certo". Veja também:Consumidores do Rio e SP não sofrem com a falta de gásPetrobras vai recorrer de decisão judicial sobre gás Ele não soube estimar um valor ou um prazo para o preço do gás natural subir, mas disse que a Petrobras não tem condições, "pelo menos no curto prazo", de atender a demanda por gás natural. Segundo dados do governo, o gás natural responde por 8,3% da energia consumida no Brasil em 2006. A previsão da Petrobras é que esse número ultrapasse 12% até 2010. O Brasil tem a segunda maior frota mundial de carros movidos a gás natural, atrás apenas da Argentina. Contratos  O presidente da Petrobras disse que o fornecimento de gás só foi cortado para as distribuidoras CEG e CEG-Rio porque as duas companhias estão consumindo hoje mais gás natural do que o que foi acertado no contrato. Com o crescimento da demanda de gás natural por parte das usinas termelétricas, a Petrobras decidiu não entregar gás natural para as distribuidoras, por não ter condições de atender a demanda de todos. Gabrielli ressalta que a Petrobras suspendeu apenas o fornecimento da quantidade de gás natural que excede os contratos com a CEG e a CEG-Rio.  Devido à redução no fornecimento nas distribuidoras, alguns postos de gás natural no Rio de Janeiro já registraram aumento do preço. Decisão no RJ Nesta quarta-feira, uma liminar da Justiça do Rio determinou que a Petrobras retome o fornecimento de gás natural às distribuidoras. Gabrielli diz que a Petrobras já vem tentando há algum tempo renegociar os contratos com as distribuidoras.  "Gás natural não é um produto que você vai no supermercado e compra. Mercado de gás é contratual. Precisa haver contratos de longo prazo, envolvendo previsão de consumo e de produção", disse o presidente da Petrobras. "O monopólio (do gás natural) pertence às distribuidoras estatais. A Petrobras não tem como definir quem será o consumidor final do produto."      

Mais conteúdo sobre:
Racionamento de gásGás

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.