Preço do gás só subirá com renovação de contrato, diz Lula

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse, no seu programa semanal de rádio, o Café com o Presidente, transmitido pela Radiobrás, que não vai faltar gás no Brasil e nem seu preço vai subir. "Ele vai aumentar quando houver a renovação de contrato. De cinco em cinco anos, a Petrobras tem de discutir e fazer o reparo no preço". Segundo Lula, o ministro de Minas e Energia, e presidente da Petrobras "já estão trabalhando para que o Brasil seja independente. O Brasil não pode ficar dependendo de nenhum país quando se trata de uma questão energética importante para o desenvolvimento. Nós temos condições de trabalhar nisso".O presidente garantiu a população não terá nenhum problema com relação ao abastecimento de gás. "Quem tiver táxi a gás, vai continuar usando o seu carro. Quem tiver gás encanado no seu apartamento, vai continuar utilizando gás encanado. Nós vamos tratar de garantir que o povo brasileiro não seja prejudicado e também não queremos prejudicar o povo boliviano".Lula também comentou a reunião da semana passada em Porto Iguazu, na Argentina: "Eu pedi a reunião com o presidente Morales, com o presidente Kirchner e pedi ao presidente Chavéz que participasse porque nós estamos pensando em construir um gasoduto que sai da Venezuela, passa pelo norte do Brasil, pelo Nordeste, pela Bolívia, Argentina e vai até o Chile. É um gasoduto muito grande que vai ter praticamente 8 mil quilômetros de extensão e isso pode resolver o problema do fornecimento de gás para o século. Estamos trabalhando nisso e fizemos a reunião para provar que nós precisamos encontrar formas negociadas para desenvolver toda a América Latina".Reação adequadaPerguntado se a reação do Brasil foi adequada no caso da nacionalização dos campos petrolíferos da Bolívia, Lula disse estar tranqüilo, de que o Brasil está fazendo o que deve ser feito. "O Brasil não quer ser uma ilha de desenvolvimento cercada de países pobres ao lado. Nós queremos que todos tenham chance de crescer um pouco. O Brasil pode ajudar, no que puder. Nós vamos ajudar o Uruguai, o Paraguai e a Bolívia. Esse é o papel da maior economia da América do Sul, que é o Brasil".

Agencia Estado,

08 de maio de 2006 | 08h36

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.