finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Preço do m² cai em alguns bairros de São Paulo, Rio e Porto Alegre

Apesar dos recuos em pontos das capitais, não há sinais de acomodação dos preços; na média geral, altas ainda são expressivas

Fabiana Holtz, da Agência Estado,

26 de outubro de 2011 | 17h13

O valor médio do metro quadrado de imóveis novos ficou mais barato em um alguns bairros de São Paulo, Rio e Porto Alegre pela primeira vez desde 2009, quando a Ibope Inteligência iniciou a pesquisa sobre a evolução de preços no mercado imobiliário dessas capitais.

Nesse quadro a exceção foi Recife, que atualmente conta com os benefícios da construção do polo industrial de Suape. No entanto, segundo Antônio Carlos Ruótolo, diretor de geonegócios do Ibope Inteligência, mesmo com o surgimento de variações negativas em alguns pontos dessas capitais não há sinais de acomodação dos preços, visto que na média geral dos quatro municípios as altas ainda são expressivas.

Ruótolo

chama a atenção ainda para a discrepância de variação entre novos e usados. "Os imóveis usados tem valorizado em um ritmo mais acelerado que os novos. Essa oscilação atípica, no entanto, pode ter várias explicações, como o número insuficiente de lançamentos", explica.

Em reais, a média do preço do metro quadrado para imóveis residenciais novos em São Paulo está em R$ 6.019 (com a mínima atingindo R$ 2.071 e a máxima R$ 15.026). Para os usados essa média ficou em R$ 4.979, conforme a pesquisa. No caso do Rio de Janeiro, os indicares ficaram em R$ 6.000 e R$ 5.106. No segmento de novos, na capital carioca os valores oscilaram entre R$ 1.075 na mínima e R$ 22.639 na máxima.

Em Porto Alegre, o preço médio para imóveis novos ficou em R$ 4.501 o metro quadrado, com os usados chegando a R$ 2.922. Na capital de Pernambuco, esses valores ficaram em R$ 4.074 e R$ 3.305 o metro quadrado, respectivamente. 

Tudo o que sabemos sobre:
imóveismercado imobiliário

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.