Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Preço do petróleo bate recorde em Nova York e Londres

Os recentes declínios do dólar vêm atraindo compradores para o petróleo. Barril fechou a US$ 102,09 em NY

Suzi Katzumata, da Agência Estado,

28 de fevereiro de 2008 | 17h10

O preço do barril do petróleo disparou nesta quinta-feira, 28, para novos níveis recordes em Londres e Nova York, impulsionados pela queda do dólar frente ao euro. Em Nova York, os contratos de petróleo para abril atingiram US$ 102,74 por barril na cotação máxima do dia, deixando para trás o recorde anterior de US$ 102,09 por barril registrado na Quarta-feira. Em Londres, o preço do barril bateu em US$ 101,10, superando o recorde anterior de US$ 100,53 por barril. Os recentes declínios do dólar vêm atraindo compradores para o petróleo e outras commodities denominadas em dólar, segundo analistas. O dólar mais fraco tende a atrair mais compras nos futuros de petróleo denominados na moeda norte-americana, uma vez que isso torna a commodity mais barata aos compradores que usam outras moedas e proporcionam aos países produtores motivos para ajustarem seus preços em alta. "Em vista de uma desvalorização de 50% do dólar, as pessoas estão se movendo para qualquer tipo de mercado que eles achem que vai preservar o poder de compra, e o ouro negro é um deles", disse George Gero, vice-presidente de futuros globais da RBC Capital Markets em Nova York. Nos mercados de moedas, o euro continua avançando para território recorde para acima de US$ 1,5200, subindo quase 1% no dia, em meio as expectativas de declínios adicionais nas taxas de juro dos EUA. No segundo dia de depoimento ao Congresso, o presidente do Federal Reserve, Ben Bernanke, que repetiu sua visão pessimista sobre a perspectiva econômica dos EUA, reforçou a convicção do mercado que o banco central continuará a cortar o juro no próximo encontro de política monetária em março. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
Petróleo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.