Preço do petróleo oscila e fecha em alta de 6,13%

No encerramento dos negócios, o valor do barril chegou a US$ 40,02, em alta de 6,13%

Agências internacionais,

29 Dezembro 2008 | 18h31

Os preços do petróleo oscilaram nesta segunda-feira, dia 29. Com os ataques de Israel à Faixa de Gaza, as cotações abriram em alta. Mais tarde, com um relatório sobre as fracas condições econômicas da China, os preços caíram. No encerramento dos negócios, contudo, o valor do barril chegou a US$ 40,02, em alta de 6,13%.   Veja também: Ministro da Defesa diz que Israel abriu 'guerra sem trégua' contra o Hamas Obama acompanha incursão, mas não se pronuncia Palestinos violam fronteira com o Egito para fugir de ataques Ataques em Gaza interrompem conversas de paz com a Síria Grupo iraniano registra voluntários para lutar contra Israel Egito permite entrada de ajuda na fronteira com Faixa de Gaza Conheça a história do conflito entre Israel e palestinos Veja imagens de Gaza após os ataques     Entre as notícias do dia, Paul Ting, da Paul Ting Energy Vision, avalia que a taxa de crescimento da demanda por petróleo da China será entre 2% e 3% no próximo ano, entre as mais lentas na última década. "Esperamos uma fraca demanda (se houver) para os próximos seis meses, seguida por um crescimento moderado no segundo semestre de 2009", disse Ting em um relatório.   A demanda de dezembro é vista como mais fraca em comparação com novembro, com um declínio de 4,5% conforme a taxa de ocupação das refinarias cai, embora as importações mais elevadas de óleo combustível e diesel possam ajudar a compensar a desaceleração. O crescimento da demanda da China em 2008 está estimado em 3,5%, a taxa mais baixa desde 2005. Tal perspectiva é negativa para o mercado, pois a disparada nos preços do petróleo e derivados em direção aos US$ 150 por barril em julho foi, em parte, atribuída à explosão da demanda da China nos últimos anos.

Mais conteúdo sobre:
Petróleo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.