Preço do petróleo oscila, mas fecha em nível recorde

Em Nova York, barril subiu para US$ 98,19, em alta de 0,91%, e superou o recorde anterior de US$ 98,03

23 de novembro de 2007 | 18h10

O preço do petróleo fechou em novo recorde. A alta das ações nas bolsas nos EUA superou o impacto dos dados indicando que a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) está extraindo mais petróleo. O volume escasso contribuiu para a oscilação dos preços. Em Nova York (Nymex), o preço do petróleo leve subiu US$ 0,89, ou 0,91%, para US$ 98,19 o barril. O valor superou o recorde anterior de US$ 98,03 e reacendeu a expectativa de que o barril chegue a US$ 100,00 na próxima semana. O petróleo do tipo Brent, negociado em Londres, subiu US$ 1,40 para US$ 95,90 o barril.  No início do dia, os preços estavam em queda, depois que dois relatórios indicaram que membros da Opep aumentaram a produção. Dados divulgados pela Oil Movements, firma com sede no Reino Unido que monitora os petroleiros, indicaram que a Opep elevou a produção em 720 mil barris por dia nas quatro semanas até 8 de dezembro, com a Arábia Saudita ampliando as entregas para os EUA. O número supera de longe os 500 mil barris por dia a mais que o cartel havia prometido produzir em setembro.  Um relatório da Petrologistics, com sede em Genebra, mostrou que as exportações dos 12 membros da Opep atingirão 31,573 milhões de barris/dia este mês, de 31,249 milhões de barris/dia em outubro, segundo um operador de petróleo em Londres. As exportações do Iraque devem atingir 2,605 milhões de barris dia, de 2,146 milhões de barris/dia em outubro. As exportações da Arábia Saudita, maior produtor da Opep, devem chegar a 8,85 milhões de barris por dia em novembro, ante 8,649 milhões de barris/dia no mês anterior.  Mas o petróleo se recuperou e os preços dispararam nos minutos finais da sessão, depois que as ações nos EUA fecharam em alta. O óleo de calefação também fechou em recorde de alta, com as previsões de temperaturas mais baixas no nordeste dos EUA, em um movimento que ajudou a impulsionar os preços.

Tudo o que sabemos sobre:
Petróleo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.