Preço do petróleo recua após passar marca de US$ 126

Valor do barril atinge novo recorde em Nova York antes de cair a menos de US$ 125.

Da BBC Brasil, BBC

09 de maio de 2008 | 16h45

O preço do barril de petróleo bateu um novo recorde nesta sexta-feira, quando chegou a ser negociado a mais de US$ 126 em Nova York.Impulsionado pelo aumento da demanda e os temores quanto aos estoques do produto, o barril do petróleo tipo leve atingiu o preço de US$ 126,20 durante a tarde em Nova York, antes de recuar para US$ 124,78.Em Londres, o preço do barril de petróleo do tipo Brent também bateu novo recorde ao atingir a marca de US$ 125,68. Depois, recuou para menos de US$ 125.No início da semana, um relatório do banco Goldman Sachs afirmou que o preço do barril de petróleo pode chegar aos US$ 200 dentro de um período de seis meses a dois anos.Apesar dos constantes aumentos no preço do petróleo, produtores da Opep (Organização dos Países Exportadores de Petróleo) voltaram a dizer na quinta-feira que, no momento, os estoques do produto são adequados.Mas a própria Opep também já admitiu que existe a possibilidade de o barril de petróleo chegar a US$ 200 no futuro.CausasO preço do petróleo tem subido devido a uma série de fatores, incluindo a interrupções do fornecimento do produto na Nigéria e no norte do Iraque e previsões de um aumento da demanda nos Estados Unidos, devido ao início do verão, que provoca o aumento das viagens de carro.A expansão econômica da China e da Índia também está colaborando para o aumento do produto.A commodity atingiu o recorde de US$ 100 pela primeira vez em janeiro. Nos últimos quatro meses, subiu cerca de 25%. O aumento nos últimos sete anos chega a cerca de 400%. Economistas alertam que a alta contínua no preço do petróleo terá um impacto na economia global, atingindo o crescimento econômico e alimentando a inflação.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Tudo o que sabemos sobre:
petróleo internacional barril

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.