Preço do petróleo sobe com notícia de ataques na Nigéria

Destruição de oleoduto renova as preocupações sobre a oferta da commodity do país africano

Nathália Ferreira, da Agência Estado,

26 de maio de 2008 | 08h03

Os contratos futuros de petróleo operam em alta em Londres, em reação às notícias de um ataque a um oleoduto na Nigéria, que renovou as preocupações sobre a oferta da commodity do país. Mas o volume de negócios está mais fraco devido aos feriados no Reino Unido e nos EUA, as quais deixam muitos participantes de fora do mercado.     Veja também: Preço do petróleo em alta  Opep prevê que preço do petróleo continuará subindo   Às 7h31 (de Brasília), o petróleo Brent subia 1,09%, a US$ 133,00 por barril. O petróleo WTI avançava 0,86%, a US$ 133,33 o barril. O pregão viva-voz na Nymex não funciona nesta segunda-feira, 26.   Militantes do Movimento pela Emancipação do Delta do Níger disseram ter destruído um oleoduto operado pela Royal Dutch Shell PLC (RDSA) e matado 11 soldados. O Exército nigeriano, no entanto, negou o ataque.   Segundo analistas, o interesse pela compra dos contratos de petróleo permanece firme por conta dos fundamentos. Enquanto alguns questionam se o mercado - que já ganhou mais de 16% em valor este mês - pode se sustentar perto das máximas históricas, a perspectiva de oferta no longo prazo parece dar suporte.   "Os riscos de alta para o preço do petróleo são claros: o sentimento do mercado é altista e as preocupações com a oferta de petróleo fora da Opep persistem", disse Sara Hoenig, economista associada do Commonwealth Bank of Austrália.   Comentários do ministro de Petróleo dos Emirados Árabes Unidos, Mohammed Al-Hamli, enfatizando mais uma vez a relutância da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) em embarcar mais petróleo, reforçaram as preocupações com oferta.   "Nós como membros da Opep... ficaremos felizes em oferecer mais se o mercado precisar. Mas no momento o mercado está bem abastecido", disse Al-Hamli, em Seul. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
PetróleoNigéria

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.